Gratidão pelos 23 anos de vida

“Felizes hão de ser todos aqueles que põem sua esperança no Senhor”.

Como é bom ter a certeza que seremos sempre felizes se esperançarmos no Senhor.

A esperança é a palavra da vez …
Ela que nos sustenta; que nos consola; que nos acalenta; que nos propõe o amanhã; que nos deixar esperançar. E manter a esperança viva dentro do nosso coração é a maior prova de força que podemos dar a si mesmo.

Não tem sido fácil a grande carga de estamos carregando, ainda mais, para aqueles que não pararam durante o período pandêmico. Nesta correria da vida, o pouco tempo que nos sobra, nos instiga a pensar situações desagradáveis. Por muitas vezes, são pensamentos tortos, não nos fortalece, apenas nos esmorece.

Só que, quando compreendemos que a esperança deve partir de nós, podemos enxergar que há solução, uma luz há de brilhar, uma vela irá ser acesa, basta confiar e esperançar no Senhor.

Hoje, dia em que festejo meu aniversário, gostaria de agradecer a Deus pela dádiva do dom da vida, pela família; pelos amigos (as); pelos (as) vizinhos (as); pelos colegas e, também, pelas pessoas que não querem o nosso bem.

Ah! Falando em bem, continuo a imaginar que devemos “olhar” para dentro e compreendermos a nossa pequenez. Nem sempre somos o que o outro quer e isso é reciproco, por isso, é profícuo que busquemos aprender com a nossa pequenez, ela que nem sempre é ‘pequena’.

Diferentemente de Manuel Bandeira, eu não vou me mudar para Pasárgada. Sabe por quê? Pois, eu quero enfrentar a realidade, quero aprender com os meus erros, quero conquistar o mundo com os meu esforço, quero ajudar a quem for preciso, quero ser eu e viver do meu modo, com as minhas idiossincrasia e fantasias.

Quantos queros… Para que tudo isso seja possível chego aos 23 anos com a esperança de lutar pelos meus objetivos e anseios. Sei que nada será fácil, mas como disse lá no início, basta confiar e esperançar no Senhor.

Que bom que aceito todos os desafios. No entanto, chega de conjecturar sobre o futuro. Afinal, é no presente que se vive. O poeta Basílio da Gama nos lembra de que a flor dos anos dura muito pouco. “Guarda para seu tempo os desenganos. Gozemos agora enquanto dura. Já que dura tão pouco a flor dos anos”.

Para encerrar o texto, diria que a terra que o poeta Bandeira inventou eu já conheci e espero continuar nela: é o lugar onde posso estar com saúde, paz e a proteção divina.

Que nunca percamos a esperança. A historia segue acontecendo e eu sou ela. ❤️

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s