Foto de Lula com FHC causa incômodo no PSDB, anima PT e irrita entusiastas da 3ª via

A publicação da foto dos ex-presidentes Lula (PT) e Fernando Henrique Cardoso (PSDB), após dias de afagos mútuos, causou diferentes reações nos partidos de ambos ao longo desta sexta-feira (21) e aborreceu entusiastas de uma terceira via para a eleição presidencial de 2022.

Os diretórios nacional e paulista do PSDB emitiram notas em tom de desconforto com o encontro entre os outrora rivais políticos. Embora FHC não tenha declarado apoio a Lula no primeiro turno, ele tem dito em entrevistas que votará no petista, se for preciso, para derrotar Jair Bolsonaro (sem partido).

“Esse encontro ajuda a derrotar Bolsonaro, mas não faz bem a um potencial candidato do PSDB”, disse o presidente nacional do PSDB, Bruno Araújo. Hoje o partido tem entre seus pré-candidatos os governadores de São Paulo, João Doria, e do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, e o senador Tasso Jereissati (CE).

“Nossa característica é saber dialogar, inclusive com adversários políticos”, continuou Araújo. “De toda forma, precisamos evitar sinais trocados a nossos eleitores. O partido segue firme na construção de uma candidatura distante dos extremos que se estabeleceram na democracia brasileira.”

A seção paulista do PSDB, presidida pelo secretário Marco Vinholi, aliado de Doria, afirmou em nota que “o encontro de FHC com Lula tem caráter dentro da democracia, onde adversários políticos dialogam”.

Ressaltou, no entanto, que “o PSDB trabalha uma alternativa para o Brasil capaz de liderar a retomada tão importante no país, frontalmente contrária aos retrocessos de Lula e Bolsonaro”.

Na mesma linha, o deputado federal Aécio Neves (PSDB-MG), que disputou a Presidência em 2014 e é crítico histórico do PT, manifestou-se pelo direito de FHC “de almoçar, jantar e tomar seu vinhozinho com quem ele escolher”, mas frisou que os planos dos tucanos passam longe de aliança com Lula.

“Quanto à questão política, o PSDB deve continuar a busca de uma candidatura ao centro, e há sinais claros de que, além dos nomes colocados até aqui, o senador Tasso começa a considerar realmente uma candidatura. Lula nunca foi, e não acredito que será, uma opção para o PSDB“, declarou Aécio.

Leite avaliou como natural que dois ex-titulares do Planalto conversem sobre política, mas afirmou que não se pode esquecer a história. “Conversar com todos é premissa de quem deseja o fim do ‘nós contra eles’. Mas eu não aceito que o Brasil ande para trás. Confio que FH também não”, disse o gaúcho.

Já Tasso evitou fazer críticas. Elogiou o gesto de Fernando Henrique e afirmou que “o diálogo, a aceitação da divergência e o entendimento de que um adversário político não é inimigo” são condições fundamentais na vida pública, principalmente diante do “clima de ódio no país”.

O almoço dos ex-presidentes, que ocorreu no dia 12 de maio no apartamento do ex-ministro do STF e ex-ministro da Justiça e da Defesa Nelson Jobim, foi revelado por Lula na manhã desta sexta em uma publicação em suas redes sociais.

Os perfis do petista informaram que os dois “se reuniram para um almoço com muita democracia no cardápio” e “tiveram uma longa conversa sobre o Brasil, sobre nossa democracia, e o descaso do governo Bolsonaro no enfrentamento da pandemia”.

Para afastar eventuais distorções sobre o significado do armistício, FHC afirmou horas mais tarde, em uma rede social, que seu gesto não significa apoio imediato à pré-candidatura de Lula.

“Reafirmo, para evitar más interpretações: PSDB deve lançar candidato e o apoiarei; se não o levarmos ao segundo turno, neste caso não apoiarei o atual mandante, mas quem a ele se oponha, mesmo o Lula”, escreveu o tucano, que é presidente de honra do PSDB.

No PT, a aproximação com FHC foi comemorada como mais um passo de Lula rumo à construção da imagem de um candidato conciliador, que dialoga com forças políticas distintas e respeita adversários, características que ele tem procurado exaltar para se contrapor ao atual presidente.

Bolsonaro, em viagem ao Maranhão nesta sexta, depois da revelação do encontro, atacou a reunião de seus dois opositores. Sem citar nomes, disse: “Falando em política, para o ano que vem, já tem uma chapa formada: um ladrão candidato a presidente e um vagabundo como vice”.

Aliados do presidente, inclusive o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), seu filho, também atacaram a aproximação e insinuaram que os dois temem a reeleição do atual titular do Planalto.

A presidente nacional do PT, deputada federal Gleisi Hoffmann (PR), reagiu: “Só mesmo Bolsonaro é incapaz de aceitar que dois ex-presidentes podem conversar civilizadamente sobre os graves problemas do país, como fizeram Lula e FHC”.

“O Brasil quer voltar a debater o futuro pela política. O ódio e a mentira deram no que deram”, escreveu Gleisi em uma rede social.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s