Presidentes de partidos se reúnem com Alexandre de Moraes contra voto impresso

Dias depois de dar início a um movimento coletivo contra a adoção de medidas para o voto impresso nas eleições brasileiros, presidentes de partidos, entre os quais legendas aliadas ao governo Jair Bolsonaro, se reuniram na manhã desta quarta-feira (30) com os ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Alexandre de Moraes para discutir uma maneira de o assunto ser definido pelo Congresso, evitando a judicialização do tema. A convite de Moraes, que presidirá o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) nas eleições de 2022, o ministro Gilmar Mendes também participou da conversa. 

Segundo relatos feitos à, um dos caminhos defendidos no encontro foi o aumento do número de urnas eletrônicas que hoje passam por teste de integridade. Hoje, segundo o TSE, cerca de cem urnas passam pelo processo de verificação sobre a segurança do processo eleitoral. A ideia seria aumentar para 1000. 

O teste de integridade é feito na véspera da eleição em todo o país, quando um grupo de voluntários vota tanto de forma eletrônica como impressa. No final, os resultados são conferidos. O processo é acompanhado por uma empresa de auditoria independente. A proposta é que a testagem seja também acompanhada por integrantes de partidos.

Em analise foi apurado que 10 partidos participaram do encontro em Brasília: Paulo Pereira da Silva, do Solidariedade; Luciano Bivar, do PSL; Baleia Rossi, do MDB; Gilberto Kassab, do PSD; Valdemar Costa Neto, do PL; Luís Tibé, do Avante. Os presidentes do DEM, ACM Neto, e do PSDB, Bruno Araújo, participaram pelo telefone. 

O PP, de Ciro Nogueira, e o Republicanos, de Marcos Pereira, foram representados, respectivamente, pelos deputados Margarete Coelho (PP-PI) e Márcio Marinho (Republicanos-BA). O ex-presidente da Câmara Rodrigo Maia também esteve no encontro. 

A reunião acontece no momento em que esses partidos têm feito um movimento para impedir o avanço da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) do voto impresso na comissão especial da Câmara. Na segunda-feira (28), o deputado Filipe Barros (PSL-PR) apresentou parecer favorável à proposta que exige a impressão de um comprovante do voto nas eleições para checagem do resultado. Houve um pedido de vista coletivo, o que adiou a votação do relatório. 

A articulação desses partidos, que já teriam maioria para derrotar a proposta no plenário da Câmara, tem como objetivo encerrar a discussão ainda na comissão especial. Por se tratar de uma PEC, são necessários 308 votos favoráveis dos 513 deputados.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s