Leitos dedicados à Covid-19 serão remanejados para tratamento de outras doenças em Pernambuco

O secretário estadual de Saúde, André Longo, anunciou, em coletiva de imprensa, nesta sexta-feira (2), a reconversão de leitos dedicados à Covid-19 para o tratamento de outras doenças em Pernambuco.

Segundo o gestor, não haverá fechamento de leitos e, caso seja necessário, os mesmos poderão ser novamente convertidos em vagas para tratamento da Covid-19.

Ainda neste mês de julho, segundo o Governo do Estado, 84 leitos serão reconvertidos, de início, apenas na Região Metropolitana do Recife (RMR), nos hospitais Agamenon Magalhães, Otávio de Freitas, Getúlio Vargas, todos no Recife, e do Tricentenário, em Olinda.

Nosso objetivo é evitar a ociosidade e remodelar a rede de saúde para a retomada das cirurgias eletivas e o atendimento de outras patologias. Importante deixar claro que não estamos falando em fechamento de leitos, mas sim em vagas que haviam sido transformadas e agora voltam para o atendimento de outras doenças e que podem ser rapidamente reconvertidos em caso de necessidade”, explicou Longo.

A redução progressiva dos indicadores da Covid-19 também tem impactado na ocupação dos leitos em Pernambuco. Pela primeira vez desde outubro, a taxa de ocupação das UTIs está abaixo de 70% no Estado, segundo os dados oficiais do governo.

Na última semana epidemiológica (SE 25), encerrada no sábado (26), a Central de Regulação Hospitalar registrou uma redução de 18,3% nas solicitações por vagas de terapia intensiva na rede pública.

A taxa de transmissão (Rt) da Covid-19 em Pernambuco se mantém abaixo de 1 há 21 dias, segundo o grupo Covid-19 Analytics. O número do Estado está em 0,77, segundo menor índice do País, atrás apenas de Sergipe (0,74), e no patamar considerado de controle da pandemia.

A taxa de transmissão indica que cada grupo de 100 pessoas contaminadas pode transmitir o novo coronavírus para outras 80, em uma progressão decrescente.

Além do Covid-19 Analytics, outros institutos também apontam para uma redução do Rt em Pernambuco. Nas análises do site EpiForecast, da London School of Hygiene & Tropical Medicine (Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres), e do Instituto para Redução de Riscos e Desastres de Pernambuco (IRRD), a taxa de transmissão no Estado está, atualmente, em 0,79.

Essa taxa estima a velocidade de propagação de um vírus dentro de determinadas condições, expressando a aceleração, controle ou supressão do contágio.

Quanto mais alto o valor, maior a velocidade de transmissão e maior o risco de uma possível sobrecarga no sistema de saúde – índices em 1 ou abaixo de 1 indicam cenário de tendência de controle.

Em março, quando os casos do coronavírus voltaram a acelerar em Pernambuco, o Rt do Estado passou de 1,2. Ou seja, cada grupo de 100 infectados tinha potencial para contaminar outras 120 pessoas, em uma progressão crescente.

Esses dados nos dão maior segurança para avançar no Plano de Convivência. Mas reforço que, mesmo colhendo bons resultados agora, o vírus permanece entre nós. Para continuar avançando na retomada de atividades sociais e econômicas precisamos manter os cuidados e cumprir com afinco os protocolos de cada setor. Ninguém quer dar passos para trás, como tivemos que fazer em outros momentos. Por isso, precisamos de um esforço a mais de todos, com o cuidado necessário. Só com cada um fazendo a sua parte iremos manter o vírus sob controle, ao mesmo tempo em que avançamos com a vacinação da população”, disse o secretário André Longo na coletiva.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s