Desempenho de Bolsonaro em 2022 deve ditar alinhamento de Aras em novo mandato na PGR

Senadores avaliam que a recondução de Augusto Aras para mais dois anos à frente da PGR (Procuradoria-Geral da República) será aprovada com facilidade, e ele não deverá, de imediato, mudar a forma de atuar, principalmente se perceber alguma chance de o presidente Jair Bolsonaro se reeleger em 2022.

Aras é acusado pela oposição de alinhamento aos interesses do Palácio do Planalto. A avaliação é compartilhada por integrantes da cúpula da PGR.

Para continuar no cargo, o chefe do Ministério Público Federal será sabatinado pela CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado, em data ainda a ser definida, e precisará do voto de 41 dos 81 senadores no plenário da Casa. A indicação foi publicada no Diário Oficial da União desta quarta-feira (21).

Bolsonaro anunciou em redes sociais nesta terça-feira (20) o envio da mensagem ao Senado sobre a recondução de Aras, cujo mandato se encerra em setembro.

Em nota divulgada pela Procuradoria, Aras afirmou “compromisso de bem e fielmente cumprir a Constituição e as leis do país”. Foi criticado internamente por não falar em independência do Ministério Público.

A definição ocorre em meio a pressões enfrentadas tanto por Bolsonaro quanto por Aras, indicado em 2019 fora da lista tríplice elaborada após eleição interna dos procuradores da República. O gesto foi repetido neste ano.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s