Rio de Janeiro anuncia Réveillon com 13 palcos pela cidade e fogos

A Prefeitura do Rio de Janeiro lançou nesta sexta-feira (6) o edital para o Réveillon de 2022. Serão dez palcos espalhados pela cidade e outros três em Copacabana, bairro que há anos promove uma das maiores festas de Ano Novo do mundo.

No Diário Oficial, foram publicados dois cadernos de encargos com as obrigações que as empresas interessadas devem cumprir para realizar os eventos. Uma das principais novidades deste ano é o retorno da queima de fogos no alto da Igreja da Penha, que possui 382 degraus até o acesso. O santuário fica na zona norte da capital.

As empresas selecionadas ficarão responsáveis pela criação, desenvolvimento, planejamento, execução e prestação de contas do projeto. Em contrapartida, terão permissão de uso da marca na realização do evento.

A Riotur, empresa de turismo do município do Rio de Janeiro, informou que duas licitações ainda serão abertas para a contratação das empresas responsáveis pelas balsas e pela queima de fogos.
As comemorações estão condicionadas ao cenário epidemiológico da pandemia na cidade. O estado do Rio de Janeiro lidera o ranking de casos da variante Delta no país, com 203 e quatro mortes.

O Réveillon de 2021 foi cancelado por causa da pandemia de Covid-19. Em dezembro do ano passado, a prefeitura do Rio optou pela suspensão em respeito às vítimas da doença e atendendo aos protocolos sanitários que estavam vigentes naquele período.

Casos de Delta e hospitalizações de idosos
O Rio de Janeiro é o estado com o maior número de casos confirmados da variante Delta do coronavírus, originária da Índia: 101, de acordo com dados do Ministério da Saúde. Esses números são obtidos a partir de amostras sequenciadas. No estado, esse sequenciamento fica a cargo da Rede Corona-Ômica RJ, do qual o Lacen faz parte.

Até esta quinta-feira (5), o estado do Rio de Janeiro contabilizou 59.659 mortes por Covid-19 desde o início da pandemia. Desde 27 de julho, o estado registrou seis dias de aumento na média de mortes e apenas um de estabilidade. Já os leitos de terapia intensiva para Covid-19 estabilizaram em 56% de ocupação na rede estadual, segundo a secretaria estadual de saúde.

Após quatro meses de queda, o número de hospitalizações de idosos por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG por Covid-19) vem aumentando no estado do Rio de Janeiro. É o que aponta um estudo da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), ainda em fase de conclusão, divulgado nesta terça-feira (3). A análise indica que, apesar do aumento, as faixas de 60 a 69 anos e 70 a 79 anos continuam em uma situação bem melhor do que a apresentada em picos anteriores. A maior preocupação continua sendo com a população acima de 80 anos.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s