‘É difícil esquecer’, diz homem negro que tirou a roupa para provar que não estava furtando em mercado de Limeira

“É difícil esquecer. Vou dormir à noite e eu lembro”. O desabafo é do metalúrgico negro de 56 anos que na última sexta-feira (7) tirou a roupa para provar que não tinha furtado mercadorias de um supermercado, em Limeira (SP), após ser abordado por seguranças. A ação foi gravada em imagens, nas quais é possível ver a vítima chorando durante o ato.

Em entrevista à EPTV, afiliada da TV Globo, Luiz Carlos da Silva relatou que mora em Iracemápolis (SP) e foi ao Centro de Limeira realizar pesquisa de preços na unidade do Assaí Atacadista, onde ocorreu a abordagem.

Inicialmente, o G1 preservou a identidade para evitar exposição da vítima, mas ele aceitou se identificar em entrevista à EPTV.

“Andei pelo mercado todo, pesquisei os preços, e achei muito caro. Achando muito caro, eu estava saindo já, estava sem bolsa. Como estava de boné e blusa comprida, fui saindo e dois seguranças falaram: ‘dá para você encostar ali para ver se você está com alguma coisa embaixo da blusa?”, relatou.

Segundo ele, primeiro houve o pedido para retirar a blusa. “Aí abri a blusa, e ele falou: ‘dá para levantar a camiseta?”, e eu falei que dava, levantei a camiseta e ficaram olhando um para o outro. Se eles começassem a falar antes daquilo que eu mostrei para eles ”me desculpa, você pode ir embora”, ”mas começaram a olhar um para outro com aquela desconfiança”, detalha.

Foi quando Luiz Carlos decidiu tirar as demais peças para que acabasse a desconfiança. “Na hora fiquei muito nervoso e falei: ‘vou tirar a calça também’‘. Aí, foi nesse momento que eu tirei a roupa para ele ver que não tinha nada lá. Tirei a carteira, tirei o celular de dentro do bolso da calça. Aí ele falou: ‘‘não precisava fazer isso”, e eu falei: ‘‘vocês me obrigaram a fazer isso aí. Porque se no primeiro momento que vocês me pararam eu mostrei a vocês que não tinha nada, vocês ficaram desconfiados ainda, agora vocês viram que não tinha nada”, acrescentou.

Aí deu vontade de brigar, mas no meu pensamento, se eu for brigar eu estou errado. Então, eu comecei a chorar porque não podia bater, nem brigar, nem fazer nada”.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s