Arboviroses: Pernambuco registra aumento de 469% nos casos de chikungunya

Um aumento expressivo no número de casos de dengue, zika e chikungunya foi registrado nos primeiros sete meses de 2021 em Pernambuco. Transmitidas pela fêmea adulta do mosquito Aedes aegypti, essas arboviroses estão mais presentes no Estado. Até o último dia 30 de julho, foram confirmados 9.378 casos para chikungunya, 6.926 para dengue e 10 para o zika. Em relação ao mesmo período do ano anterior, as confirmações chikungunya tiveram um aumento de 469% nos casos envolvendo chikungunya (1.648 casos confirmados em 2020), enquanto houve uma queda de 15,2% para dengue (8.174 casos) e de 28,6% para zika (14 casos).

No último boletim divulgado pela Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE), correspondente a semana epidemiológica (SE) 30, há ainda o registro de 31 casos que evoluíram para o óbito suspeitos para as arboviroses, sendo 1 confirmado para dengue e dois já descartado, enquanto os demais seguem em investigação pelos municípios.

A partir desse balanço, o Governo de Pernambuco chama atenção para o aumento de casos das três doenças e alerta para a importância da vigilância epidemiológica nos municípios. “O atual cenário epidemiológico é identificado pela ampla disseminação das populações do mosquito nos mais diversos territórios e acende um alerta para as notificações de casos e ações de combate. Essas doenças epidêmicas costumam se apresentar de forma diferenciada nesses locais, pois a cada período podem ser identificadas situações endêmicas dos três agentes em anos consecutivos”, alerta a gerente de Vigilância das Arboviroses, Claudenice Pontes.

A gestora destaca ainda que o contexto da pandemia do novo coronavírus foi um fator que dificultou que os municípios continuassem realizando suas ações de vigilância, que precisam ser otimizadas, principalmente nesse período de alta nos números. A SES-PE continua realizando as análises das notificações de casos suspeitos de arboviroses e prestado o devido apoio técnico aos gestores. E é a partir desse monitoramento que se pode conhecer a realidade epidemiológica da doença e agir com estratégias de prevenção e combate.

Notificações
Analisando o cenário de notificações de casos em Pernambuco, a equipe de vigilância epidemiológica também observa um aumento da suspeita de casos. No mesmo boletim epidemiológico, foram notificados 34.131 casos de dengue, 22.257 de chikungunya e outros 3.827 de zika. Esses dados demonstram uma crescente em relação ao ano anterior, quando foram notificados 25.958 para dengue, 4.651 para chikungunya e 1.658 para zika.

“Vários fatores podem contribuir com aumento de casos das arboviroses na população. No caso da dengue, a existência de 4 sorotipos virais dificulta a imunização total da população exposta. Em relação a chikungunya e zika, mesmo com a introdução do vírus no Estado lá 2015, ainda é possível encontrar pessoas vulneráveis, ou seja, que não foram expostas ao vírus. Além disso, os sintomas de chikungunya são mais expressivos, o que facilita a identificação. Já no caso da zika é bem provável que estes números sejam bem maiores que o expressado no sistema de informação, pois existem aquelas pessoas assintomáticas, o que dificulta a identificação da circulação”, acrescenta.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s