Dono da Precisa não faz juramento de dizer a verdade e opta por não responder às perguntas sobre Covaxin

O dono da empresa Precisa, Francisco Maximiano, não quis prestar o juramento de dizer a verdade na CPI da Covid nesta quinta-feira (19) e também optou por não responder às perguntas feitas pelo relator, Renan Calheiros (MDB-AL), sobre o caso Covaxin.

Maximiano foi à CPI amparado por uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que o permite ficar em silêncio diante de questões que possam incriminá-lo.

“Por favor, não entenda como uma afronta, mas vou exercer o direito ao silêncio”, disse Maximiano ao relator, em uma das vezes em que foi questionado sobre as tratativas para a compra da vacina indiana.

A Precisa atuou como uma intermediária entre o laboratório indiano Bharat Biotech, fabricante da vacina Covaxin, e o Ministério da Saúde. A empresa nunca divulgou detalhes do contrato, incluindo o valor que arrecadaria como representante brasileira na negociação.

Diante de denúncias de irregularidades, o contrato foi suspenso, mas o governo brasileiro já havia separado R$ 1,6 bilhão para a compra de 20 milhões de doses.

O depoimento de Maximiano era um dos mais esperados pela CPI. A ida dele à comissão foi adiada quatro vezes. Em uma delas, ele estava cumprindo quarentena após voltar da Índia. Em outra, estava em viagem ao país asiático.

A Covaxin foi a vacina mais cara negociada pelo governo. Os irmãos Luis Miranda (DEM-DF), deputado federal, e Luis Ricardo Miranda, servidor do Ministério da Saúde, levaram à CPI suspeitas de irregularidades no contrato.

Eles apontaram, por exemplo, que a invoice (nota fiscal internacional), de uma remessa da Covaxin previa o pagamento de US$ 45 milhões adiantados. Isso feria o contrato, que não estipulava nenhum tipo de pagamento adiantado.

Os irmãos também disseram que a invoice estava no nome de uma empresa que não aparecia no contrato e tem sede em Singapura, paraíso fiscal.

O deputado Luis Miranda, na CPI, disse que informou o presidente Jair Bolsonaro dessas suspeitas. E que Bolsonaro, ao ouvir o relato, citou o nome do líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR).

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s