Einstein diz que 60% dos casos de Covid sequenciados nos últimos 30 dias são da variante ômicron; governo de SP calcula 99% de delta

Um monitoramento feito pelo Hospital Albert Einstein, de São Paulo, e atualizado no domingo (26), mostrou que 62% das amostras de coronavírus sequenciadas pela instituição nos últimos 30 dias foram da variante ômicron.

Os dados foram obtidos a partir de uma amostragem de pacientes atendidos em todas as unidades hospitalares e laboratoriais do Einstein, segundo a empresa.

Nos últimos 30 dias, foram 22 casos causados pela variante ômicron e 13 provocados por diferentes linhagens da variante delta, dentre os sequenciados pela instituição.

Apesar disso, o sequenciamento oficial do estado de São Paulo, feito por instituições ligadas ao governo estadual, indica que a maioria dos casos de Covid ainda é provocada pela delta.

Na última semana, de 21 a 28 de dezembro, o Instituto Adolfo Lutz e o Centro de Vigilância Epidemiológica do Estado de São Paulo sequenciaram 1.219 amostras. Só oito foram da ômicron. Outras 1.211, ou 99,3% do total, foram da variante delta.

A discrepância entre os dados de diferentes instituições ocorre em meio a um período de apagão de dados nos sistemas de monitoramento da Covid-19. Especialistas criticam a demora para sequenciar as variantes em circulação, e também as diversas falhas que os governos estaduais reportaram nos sistemas do Ministério da Saúde nas últimas semanas.

A variante ômicron foi identificada pela primeira vez no dia 30 de novembro, na capital paulista. Segundo o levantamento oficial do estado, 28 casos desta cepa já foram confirmados em São Paulo.

Mas os números do estado podem ser ainda maiores: nesta quarta (29), o sequenciamento genômico feito no laboratório do Centro Universitário Faculdade de Medicina do ABC detectou 3 novos casos da ômicron – dois em São Bernardo do Campo e um em São Caetano do Sul.

Além da identificação da nova variante de atenção no ABC, o laboratório também anunciou que houve um aumento no percentual de testes positivos. O índice de positividade dos exames do tipo RT-PCR, que era de 2,5% três dias atrás, está em 8% nesta quarta (29). O Centro Universitário realiza, em média, 250 testes do tipo por semana.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s