Mulher acusada de sedar e matar marido dentro de fornalha em Dom Feliciano vai a júri

Será julgada nesta quarta-feira (27) a mulher acusada de sedar e matar o marido dentro de uma fornalha em Dom Feliciano, na Região Sul do Rio Grande do Sul, em fevereiro de 2021. O júri acontecerá em Camaquã, a 44 km, a partir das 9h.

Elizamar de Moura Alves, de 36 anos, é acusada dos crimes de homicídio duplamente qualificado, ocultação de cadáver e falsidade ideológica. A vítima era o marido dela na época, Erni Pereira da Cunha, de 43 anos.

Por meio de nota enviada ao g1, os advogados Marcos Antônio Hauser, Mikaela Schuch e Igor Roberto Freitas Garcia, que representam Elizamar, afirmam que tem convicção de que a cliente é “na verdade uma vítima de violência doméstica que agiu em legítima defesa da própria vida e de seus filhos, de modo que a absolvição será o desfecho natural”.

O julgamento pelo Tribunal do Júri será presidido por Daniel de Souza Fleury. O representante do Ministério Público será Francisco Saldanha Lauenstein.

Foram arroladas três testemunhas de acusação e três testemunhas de defesa.

O rito do júri começa com o sorteio dos sete jurados que irão compor o Conselho de Sentença, depois acontece a instrução em plenário, que é a oitiva de testemunhas de acusação, testemunhas de defesa e interrogatório da ré, os debates orais (com réplica e tréplica, se as partes quiserem utilizar este tempo), votação e leitura da sentença.

O crime ocorreu na localidade de Colônia Nova, no interior de Dom Feliciano, onde o casal morava. Erni foi dado como desaparecido no dia 15 de fevereiro. No mesmo dia, Elizamar foi até a delegacia para registrar ocorrência.

De acordo com a delegada Vivian Duarte, que investigou o caso, os depoimentos dos familiares eram incongruentes. “Todos afirmavam que a vítima saiu de casa a pé, e que depois teria mandado mensagens dizendo que tinha saído de casa para ser feliz”.

A acusada teria realizado pesquisas na internet sobre “como matar uma pessoa utilizando veneno”.

“Durante as diligências a companheira da vítima confessou o crime”, disse a delegada à época.

Segundo a polícia, a mulher relatou que cometeu o crime por ter sofrido agressões e ameaças do homem, durante mais de duas décadas de relacionamento. Ela não chegou a registrar ocorrência das agressões contra o marido.

A acusada foi presa em 11 maio de 2021.

O Ministério Público denunciou Elizamar. De acordo com a acusação, a ré diluiu dois comprimidos do medicamento Diazepam no suco de laranja do marido em 15 de fevereiro. Desacordado, ele foi colocado dentro da fornalha que fica na estufa de fumo da família. O corpo ficou queimando no local durante três dias.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s