Corpo de Bombeiros recebeu mais de 40 mil chamados por dia durante temporal em Pernambuco

Maior tragédia do século em Pernambuco, o temporal que provocou 128 mortes e deixou mais de 9 mil desabrigados no fim de maio exigiu uma capacidade sobre-humana dos serviços de resgate.

Só na última semana, o Corpo de Bombeiros estima que recebeu mais de 40 mil chamados por dia para atuar em ocorrências relacionadas à chuva na Região Metropolitana do Recife e na Zona da Mata. Durante o período, a corporação empregou quase 500 profissionais em regime de escala. Desses, 85 vieram de outros estados, como Bahia, Maranhão, Santa Catarina, Minas Gerais e Paraíba.

Os números foram apresentados nesta sexta-feira (3), pelo comandante do Corpo de Bombeiros Militar de Pernambuco, o coronel Rogério Coutinho. Segundo ele, a instituição “se colocou de prontidão” desde o dia 25, quando foram registrados os primeiros deslizamentos de terra e afogamentos, em Olinda e Jaboatão dos Guararapes.

“Começamos a montar e distribuir as equipes. E, da sexta (27) para o sábado (28), nós iniciamos efetivamente nosso trabalho e aí contamos com toda a nossa força operacional, convocamos os militares que estavam de folga e tivemos apoio de militares do interior do Estado que vieram nos auxiliar”, contou.

Além do suporte de outras corporações, como as Forças Armadas e as polícias, houve, ainda, o reforço de bombeiros vindos de outros estados, que já começaram a voltar para os seus lugares de origem. De acordo com o comandante, muitos deles atuaram em outros desastres ocorridos no País, como as chuvas no sul da Bahia e em Petrópolis, no Rio de Janeiro, e as tragédias de Mariana e Brumadinho, em Minas Gerais.

Outros fatores fundamentais para o resgate das vítimas foram o apoio das próprias comunidades, que ajudavam com informações sobre os locais e as casas atingidas, o uso de máquinas, como as retroescavadeiras, e o uso de cães farejadores, que, em muitos casos, encontraram os corpos. Ao todo, 22 animais participaram das operações. Apenas um deles é de Pernambuco.

“A vantagem do cão é que ele tem um olfato muito apurado e ele consegue, diante de um cenário muito extenso, apontar qual o local onde a vítima possivelmente estava. E isso fazia com que a gente conseguisse centralizar nossas buscas num perímetro bem menor”, explicou Coutinho.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s