Mais de 75 mil russos foram mortos ou feridos na Ucrânia, diz EUA

Mais de 75 mil soldados russos foram mortos ou feridos durante a guerra na Ucrânia, disseram autoridades do governo Biden a parlamentares dos EUA durante um briefing confidencial na quarta-feira (27).

“Fomos informados de que mais de 75 mil russos foram mortos ou feridos, o que é enorme, você tem uma quantidade incrível de investimento em suas forças terrestres, mais de 80% de suas forças terrestres estão atoladas e estão cansadas”, disse. A deputada Elissa Slotkin, de Michigan, democrata que atua no Comitê de Serviços Armados da Câmara e que recentemente visitou a Ucrânia, disse à CNN. “Mas eles ainda são os militares russos.”

É difícil avaliar independentemente os números de baixas na guerra. Autoridades russas e ucranianas, buscando ganhar vantagem nos esforços de propaganda, às vezes exageraram os avanços militares e minimizaram os retrocessos. O Kremlin não fornece regularmente atualizações sobre vítimas.

Na semana passada, Richard Moore, chefe do MI6 – o serviço secreto britânico -, disse no Fórum de Segurança de Aspen que acredita que os russos começarão a perder força nas próximas semanas porque estão ficando sem mão de obra.

E as próximas semanas da guerra serão cruciais, disseram autoridades americanas e ocidentais, porque os ucranianos tentarão montar uma grande contra-ofensiva no sul antes do inverno. A Ucrânia está procurando reforços adicionais, disseram os legisladores no briefing de quarta-feira.

A Ucrânia terá como objetivo retomar a cidade de Kherson, no sul, ocupada pela Rússia desde março, acreditam autoridades americanas e ocidentais.

“O tipo de conversa principal no briefing foi, você sabe, o que mais podemos e devemos fazer pelos ucranianos, literalmente nas próximas três a seis semanas, com muita urgência. Os ucranianos querem ir para o sul e fazer operações no sul. E queremos que eles tenham o maior sucesso possível”, disse Slotkin.

“Acho que o que ouvimos com muita firmeza do presidente Zelensky e reforçamos hoje é que os ucranianos realmente querem atingir a Rússia algumas vezes antes do inverno chegar, colocá-los na melhor posição possível, principalmente no sul.”

Durante o briefing, Slotkin disse que havia apoio bipartidário para o envio de mísseis de longo alcance à Ucrânia, conhecidos como ATACMS, que podem atingir até 290 quilometrôs de distância.

Os ucranianos têm instado os EUA a fornecer esses sistemas há meses, porque os HIMARS que eles possuem só podem atingir distâncias de cerca de 80 quilômetros.

Mas o conselheiro de segurança nacional, Jake Sullivan, disse na semana passada no Fórum de Segurança de Aspen que os EUA não forneceriam o ATACMS, porque eles poderiam ser usados ​​para atacar o território russo, o que aumentaria ainda mais a guerra.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s