Ucrânia desliga maior usina nuclear da Europa

A Ucrânia anunciou neste domingo (11) que desligou, por questões de segurança, o último dos seis reatores que ainda estava em operação na usina nuclear de Zaporizhzhia, atualmente ocupada por tropas russas. Com isso, a planta foi desconectada da rede elétrica e deixa de gerar eletricidade.

“Estão em andamento os preparativos para o resfriamento do reator e a sua transferência para o estado frio”, divulgou a agência nuclear estatal da Ucrânia, Energoatom, em comunicado.

A maior usina nuclear da Europa foi tomada por forças russas nos primeiros dias de sua invasão ao país vizinho, e se tornou palco de violentos combates após investidas das tropas locais para tentar retomar o controle da usina.

Segundo a Energoatom, o desligamento foi possível após o restabelecimento no fornecimento de eletricidade à usina, que havia sido cortado na segunda-feira devido a combates na região. A agência disse que uma das linhas que ligava a central à rede nacional ucraniana de eletricidade foi restaurada na noite de sábado, permitindo à empresa desligar o último reator.

Desde o corte, a usina era alimentada pelo único dos seis reatores que ainda estava em operação, fornecendo energia aos seus sistemas de segurança. Em circunstâncias normais, a usina depende da energia vinda de fora para manter os sistemas de resfriamento que impedem que os reatores superaqueçam. Falhas no resfriamento poderiam levar à fusão dos reatores e ao vazamento de radiação.

Um funcionário da agência nuclear da Rússia confirmou o desligamento da usina. A operação ocorreu poucos dias após a divulgação do relatório dos inspetores da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) sobre as condições do local.

A missão da ONU que inspecionou a usina nuclear de Zaporizhzhia alertou para ameaças à segurança que poderiam resultar em vazamentos de radiação, após relatarem “danos extensivos” em algumas estruturas.

Antes do anúncio do desligamento da usina, os presidentes da Ucrânia e da França, Volodimir Zelenski e Emmanuel Macron, insistiram na necessidade de garantir a segurança de Zaporizhzhia, alertando para a “situação muito preocupante” vivida no local.

De acordo com o Palácio Eliseu, em conversa telefônica, os dois presidentes reiteraram o apoio ao trabalho da AIEA, que na sexta-feira tinha alertado para a “situação insustentável” na usina devido ao corte no fornecimento de energia elétrica.

Zelenski e Macron exigiram a retirada das tropas russas da região para garantir a segurança em Zaporizhzhia. “A nossa posição é que a única maneira de proteger a Europa de um desastre nuclear é desmilitarizar a região da usina”, afirmou o presidente ucraniano.

Na quarta-feira, o governo ucraniano pediu aos moradores das áreas ocupadas pela Rússia próximo à usina para deixarem o local para garantir sua segurança. Moscou e Kiev se acusam mutuamente de bombardear a usina nuclear e arriscar um desastre nuclear.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s