MPE denuncia Roberto Jefferson e a filha Cristiane Brasil por ofensas contra a ministra Cármen Lúcia

O Ministério Público Eleitoral ofereceu denúncia contra o ex-deputado federal Roberto Jefferson e a ex-deputada federal Cristiane Brasil (PTB-RJ), filha dele, por uma série de ofensas feitas contra a ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

De acordo com o documento, assinado pela promotora eleitoral Annunziata Alves Iulianello, em 21 de outubro, Cristiane Brasil e o pai ofenderam a ministra “em razão de suas funções, ofendendo-lhe a dignidade e decoro”. Os dois foram denunciados por injúria ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE).

Cristiane, nas eleições de 2022, foi candidata ao cargo de deputada federal por São Paulo pelo Partido Trabalhista Brasileiro (PTB). As defesas de Cristiane e Roberto não foram encontradas.

Na publicação no Twitter, segundo, a promotor, Cristiane compartilhou um vídeo de Roberto Jefferson xingando a ministra do STF e do STE.

“Indignação! Depois tem quem diga que ele exagera, que não tem razão. ah não? O que aquela bruxa horrorosa fez foi digno de alguma punição severa! Tipo impeachment! Mas o escr*to do Pachecuzinho querendo ser ministro não vai fazer JAMAIS”, escreveu.

No vídeo publicado, Jefferson ofendeu “gravemente a honra” de Cármen Lúcia, segundo a promotora, com insultos relacionados ao exercício da função de magistrada.

“Eu tô indignado. Não consigo. Fui rever o voto da Bruxa de Blair, da Cármen Lúcifer na censura prévia à Jovem Pan. Olhei de novo. Não dá para acreditar. Lembra mesmo aquelas prostitutas, aquelas vagabundas arrombadas.”

Outros trechos dos insultos foram colocados na denúncia pela promotora.

“Bruxa de Blair. É podre por dentro e horrorosa por fora. Uma bruxa. Uma bruxa. Se puser um chapéu bicudo e uma vassoura na mão, ela voa. Deus me livre dessa mulher que tá aí nessa latrina que é o Tribunal Superior Eleitoral.”

Uma representação do Ministério Público Eleitoral ao Tribunal Superior Eleitoral determinou a remoção do vídeo, na ocasião.

Em 23 de outubro, o Twitter suspendeu a conta dela. Antes do perfil ser retirado do ar, ela pedia que os seguidores fossem ao endereço do pai para defendê-lo após os tiros que ele disparou contra agentes da Polícia Federal antes de ser preso.

A promotora descreveu que deixa de oferecer proposta de transação penal, um acordo com o MP em casos de infrações de menor potencial ofensivo no qual o acusado aceita cumprir pena antecipada de multa ou restrição de direitos e o processo é arquivado. A ação penal corre pela 258ª Zona Eleitoral de São Paulo porque é o domicilio eleitoral de Cristiane.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s