Arquivo da categoria: Carnaval

Bloco Arerê é oficialmente cancelado em Afogados

A organização do Afogareta 2022, que seria realizado no próximo fim de semana em formato indoor, acaba de informar que o evento foi adiado.

A organização diz que a exigência de testagem no dia de cada evento tornou a realização inviável. “Tentamos vários laboratórios e nenhum consegue atender essa exigência”, diz a organização.

A capacidade do evento também sofrera alteração pelo decreto. “Dessa maneira, não restou alternativa à Direção do bloco a não ser adiar a realização do evento para uma data ainda a ser definida”.

Segundo a organização, os ingressos já adquiridos servirão para as novas datas. “Aqueles que não quiserem participar na nova data devem mandar mensagem inbox para receber a devolução”.

Afogados: Prefeitura cancela Baile, Carnaval e vai lançar decreto para eventos privados

Em nota divulgada, a Prefeitura de Afogados da Ingazeira informa o cancelamento do Baile Municipal e a programação oficial do Carnaval Afogadense 2022.

O cancelamento acontece em virtude do aumento dos casos de Covid-19 e síndromes gripais, além do aumento na ocupação dos leitos disponíveis no Hospital Emília Câmara.

Confira a nota:

“A Prefeitura de Afogados da Ingazeira informa que, tendo em vista os aumentos no número de casos de COVID-19 e de síndrome gripal, e o aumento na ocupação de leitos em nosso Hospital Regional – tanto comuns quanto os de UTI – decide cancelar o baile municipal e a programação oficial do carnaval Afogadense. Quanto aos eventos festivo-culturais da iniciativa privada, a Prefeitura irá discipliná-los através de um decreto, a ser divulgado para a imprensa amanhã (13). Todas os nossos esforços e decisões visam preservar os bens maiores de nossa coletividade: a vida e a saúde da população Afogadense”.

Ameaçado de não acontecer, desfile das escolas de samba do Rio fica entre decisão do estado e da prefeitura

O governo do estado do Rio de Janeiro decidiu manter, por enquanto, a realização dos desfiles das escolas de samba, na Marquês de Sapucaí (Sambódromo).

A decisão foi tomada depois de reunião do Grupo Técnico de Assessoramento a Eventos de Saúde Pública, na tarde de ontem (7).

A prefeitura do Rio, no entanto, deve voltar a se reunir com o seu comitê técnico na próxima quarta-feira, quando dará seu posicionamento, que pode ser de cancelamento da festa. 

Prefeituras e Governo de Pernambuco debatem sobre eventos privados durante o Carnaval

Em Pernambuco, mais de 70 municípios anunciaram o cancelamento do Carnaval de rua em 2022, mas a decisão do Estado sobre os eventos privados e o feriado durante o período será divulgada na segunda quinzena de janeiro. Em reunião realizada pela Associação Municipalista de Pernambuco (Amupe) por videoconferência, na manhã desta quinta-feira (7), o tema foi recorrente entre os prefeitos, devido ao avanço da Influenza A (H3N2) e da pandemia da Covid-19. 

De acordo com o presidente da Amupe e 1º secretário da Confederação Nacional de Municípios (CNM), José Patriota, a secretaria de Saúde vai apresentar um novo protocolo com relação aos eventos na próxima segunda-feira (10). 

“Uma questão muito levantada pelos municípios foi em relação às festas privadas, aglomerações, tendo em vista a aproximação do Carnaval. Nós já tivemos restrições nas festas públicas do final do ano. Agora entra na pauta o questionamento com relação às festas privadas que estão sendo apontadas. Apesar de ter mais controle na entrada, com a cobrança do cartão de vacina, do passaporte, às vezes se perde o controle no ambiente e também na quantidade de pessoas”, explicou. 

Durante a reunião, o secretário de Saúde, André Longo, destacou que todos os pontos discutidos estão sendo analisados e que existe a possibilidade de novas restrições ao longo das próximas semanas. “Todos esses pontos estão sendo levados em consideração e serão analisados na reunião do Gabinete de Enfrentamento à Covid-19 na próxima segunda-feira. Uma série de temas serão abordados, inclusive a possibilidade de novas restrições”, concluiu o secretário. 

Princesa Isabel cancela Carnaval 2022

Conforme divulgado no Princesa News, o prefeito Ricardo Pereira, confirmou o cancelamento das festividades carnavalescas de 2022, no município de Princesa Isabel-PB.

Ele ainda informou que a decisão foi baseada na situação epidemiológica atual. Hoje, a Paraíba registrou o primeiro caso da variante Ômicron.

Carnaval de rua é cancelado em SP

A Prefeitura de São Paulo decidiu cancelar o Carnaval de rua deste ano. A decisão se deve ao aumento de casos de coronavírus causados pela variante ômicron e à epidemia de influenza.

A Secretaria de Saúde afirmou ainda que não é recomendável fazer o evento no autódromo de Interlagos, como havia sido aventado.

No início de dezembro, a Vigilância Sanitária já havia aconselhado o prefeito a não realizar a festa de Réveillon na avenida Paulista, e o evento acabou cancelado.

Recife anuncia suspensão do Carnaval 2022

Por conta do crescimento dos casos de influenza A e como forma de prevenção contra a covid-19, a Prefeitura do Recife anunciou a suspensão das programações oficiais do Carnaval 2022 no município. A festividade iria acontecer entre os dias 25 de fevereiro e 5 de março. 

De acordo com a prefeitura, apesar de o município apresentar mais de 83% de toda a população acima de 12 anos com esquema vacinal completo em relação à covid-19 e não apresentar aumento de casos da doença, a decisão foi necessária para preservar a saúde e a vida. 

Com uma piora no quadro de influenza A H3N2 no Recife, a prefeitura anunciou a ampliação do acesso a serviços e assistência à população como o reforço das equipes com mais de 162 profissionais para a rede básica e o sistema do Atende em casa, ampliação de pontos de vacinação, abertura de 40 leitos para pacientes de srag no Hospital Eduardo Campos da Pessoa Idosa (HECPI) e a ampliação dos pontos de testagem para Influenza, incluindo dois pontos fixos, um no Parque Urbano na Macaxeira e outro no Compaz Ariano Suassuna, no Cordeiro. 

A partir desta quinta-feira (6), os 30 leitos de enfermaria do HECPI ainda restantes serão destinados ao atendimento de pacientes de srag. Com a  medida, todos os 70 leitos do hospital municipal serão exclusivos para atendimento a doenças respiratórias. 

Além disso, o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) passa a contar com mais uma Unidade de Suporte Básico (USB) e outra Unidade de Suporte Avançado (USA) que, juntas, irão ampliar a capacidade para mais 480 atendimentos mensais à população.

Olinda cancela carnaval de rua e promete auxílio financeiro para quem depende da folia

A prefeitura de Olinda anunciou nesta quarta-feira (5) o cancelamento do carnaval de rua em 2022 pelo segundo ano consecutivo e prometeu auxílio financeiro para quem depende da festa. Em coletiva de imprensa, a gestão afirmou que o motivo é evitar a disseminação da Covid-19, levando em conta, também, a alta nos casos de influenza.

De acordo com o prefeito da cidade, Professor Lupércio (Solidariedade), a decisão foi construída ao longo do tempo. Ele disse, ainda, que a prioridade é a saúde dos moradores e turistas 

“Sem soberba da nossa parte, o carnaval de Olinda é conhecido mundialmente, que gera empregos diretos e indiretos. Um carnaval, mesmo descentralizado, em que circulam mais de 4 milhões de pessoas”, afirmou.

A epidemia de Influenza em Pernambuco associada à pandemia de Covid-19 tem causado saturação da rede de saúde do estado, com pessoas enfrentando fila para conseguir atendimento médico e pacientes aguardando leitos. Além de Olinda, Jaboatão dos Guararapes também anunciou que não vai ter festa em áreas públicas neste ano. Recife, no entanto, ainda não divulgou decisão.

Segundo Suzana Ribeiro, secretária de Saúde do município, existe uma preocupação com as novas variantes do coronavírus, como a ômicron.

“Não dá pra fazer um carnaval quando a gente fala de responsabilidade e empatia por essas mil vidas que foram perdidas”, afirmou, referindo-se aos 1.034 óbitos contabilizados na cidade.

Para auxiliar os profissionais que atuam no carnaval, a prefeitura afirmou que vai criar linhas de investimento para profissionais que atuam no carnaval. São R$ 3 milhões em dois eixos, sendo o primeiro chamado de Auxílio do Carnaval, e o segundo, de Circuito Cultural: Fomento à Cultura.

O primeiro é voltado para quem atua na cultura popular e tradicional do município, além dos ambulantes que atuam no carnaval. De acordo com a Secretaria de Cultura, o auxílio deve seguir os moldes do que foi concedido em 2021, mas detalhes ainda estão sendo definidos. A novidade é que ambulantes cadastrados na prefeitura também devem ser beneficiados.

Em 2021, artistas, agremiações e grupos receberam 35% do cachê pago no carnaval de 2020. O limite estabelecido foi de R$ 10 mil. Catadores cadastrados em cooperativas de reciclagem receberam R$ 250. A previsão é de que esses pontos sejam mantidos.

O outro eixo foi criado para incentivar a realização de festivais municipais, com um edital para concepção e execução de festivais multiculturais.

Entre os festivais municipais citados estão o Festival da Cerveja Artesanal, Festival da Tapioca e Festival Olinda Dá Gosto, entre outros. A seleção deverá ser feita por pareceristas de público e notório saber e pessoas com conhecimento nas áreas culturais. Ainda não há informações sobre o processo seletivo e os prazos.

“O carnaval é a apoteose de um trabalho, da nossa história, da tradição da nossa cidade. A partir disso, montamos um planejamento para contemplarmos a cadeia produtiva e trazer ela para junto de nós, para que a gente de apoio financeiro e para manutenção da nossa cultura e da nossa história”, declarou o prefeito.

Professor Lupércio afirmou, ainda, que a definição sobre festas privadas deverá ficar a cargo do governo do estado. Atualmente as festas podem reunir até 7,5 mil pessoas ou 80% da capacidade do local em que forem realizadas, o que for menor.

“Estaremos baseados no governo do estado, conforme o decreto do governo do estado, tanto é que nós já estamos fazendo essa trabalho, alinhado com ele. Vamos aguardar como isso [festa privada] vai ficar para também colocar ou não aqui em Olinda”, disse o prefeito.

Prefeitura do Rio cancela o carnaval de rua e mantém desfiles na Sapucaí

A Prefeitura do Rio decidiu nesta terça-feira (4) que a cidade não terá carnaval de rua pelo segundo ano consecutivo devido à pandemia. Os desfiles de escolas de samba na Sapucaí estão mantidos, segundo o prefeito Eduardo Paes.

O prefeito explicou que, para ter blocos de rua, é preciso organizar com muita antecedência e voltou a citar que havia uma cobrança do patrocinador, que investiria quase R$ 40 milhões, para uma definição. Com o cenário da pandemia hoje, com aumento de casos e transmissão comunitária da ômicron, a prefeitura se viu obrigada a cancelar, disse Paes.

“Diante desse cenário todo, eu chamei hoje as ligas dos blocos (…) e informei a eles da inviabilidade do carnaval de rua”, explicou.

Paes se reuniu nesta terça com Rita Fernandes, presidente da Sebastiana, e outras nove ligas de blocos, para informar do cancelamento. Ao todo, mais de 400 blocos estavam representados no encontro com o prefeito.

Na semana passada, a Banda de Ipanema já havia anunciado que não desfilaria neste ano devido ao recrudescimento do número de casos.

Paes disse que propôs ao patrocinador e aos blocos a organização de eventos ao longo de fevereiro, de graça, com os principais blocos, em três lugares da cidade onde pudesse haver controle, como o Parque Olímpico e o Parque de Madureira. O prefeito disse que a proposta não foi bem aceita porque os blocos têm uma relação com seus bairros e regiões, entre outras razões.

“Eles ficaram de fazer uma contraproposta”, explicou.

Em entrevista à GloboNews, Rita Fernandes disse que a decisão do prefeito foi bem aceita pelos blocos, apesar da “tristeza” de todos, e que muitos pensarão em alternativas para apresentações em ambientes mais controlados.

“Os eventos estão liberados, desde que a gente tenha a responsabilidade de testar as pessoas e de exigir o comprovante das duas doses”, explicou.

Rodrigo Rezende, presidente da Liga Amigos do Zé Pereira, também confirmou que os blocos vão pensar em alternativas para marcar o carnaval sem desfiles. Rezende disse que já esperava pela proibição.

Na reunião desta terça, o prefeito do Rio confirmou que o carnaval das escolas de samba no Sambódromo está confirmado em 2022.

“O carnaval de rua é diferente do carnaval do sambódromo. O carnaval de rua demanda um planejamento maior, são quase 500 blocos e o tempo é apertado para a tomada de decisões. Na Sapucaí, teremos o carnaval porque lá é mais fácil de fazer um controle de entrada”, explicou Eduardo Paes.

Capitais começam a cancelar desfiles e blocos de rua por causa da Covid-19

Em meio ao aumento de casos de Covid-19 confirmados antes e após festas de final de ano, grandes cidades brasileiras decidiram cancelar a realização do Carnaval 2022. Apesar da média de mortes por coronavírus continuar em queda, um levantamento feito pelo Instituto Todos pela Saúde (ITpS) mostrou que a variante ômicron chegou a atingir quase 70% dos casos positivos no dia 25 de dezembro, sendo encontrada em oito estados.

Até o momento, apenas São Paulo confirmou ao jornal O Globo que manterá os desfiles e blocos de rua. Belo Horizonte, Salvador e Fortaleza cancelaram o evento. Em Pernambuco, a definição deve sair ainda em janeiro.

Artistas e blocos também estão cancelando suas programações para fevereiro. Em São Paulo, 64 atrações de rua foram anuladas, entre elas estão os das cantoras Daniela Mercury (Pipoca da Rainha) e Gloria Groove (Bloco das Gloriosas), a produtora de funk Kondzilla (Bloco do Kondzilla) e o ator e cantor Tiago Abravanel (Bloco do Abrava), de acordo com a prefeitura da capital.

Apesar de manter a realização de desfiles e blocos de rua na capital, a prefeitura de São Paulo informou que a realização do Carnaval de 2022 dependerá do cenário epidemiológico da cidade em fevereiro. Segundo o órgão, as avaliações realizadas junto à Secretaria de Saúde em relação aos casos da doença e à capacidade de assistência hospitalar devem ser concluídas na primeira quinzena de janeiro.

A cidade aprovou em publicação no Diário Oficial da última quinta-feira, a realização de 696 desfiles no Carnaval de Rua 2022, o maior número na história da capital. Até o momento, 64 desfiles foram cancelados.

Em nota, a prefeitura de Belo Horizonte informou que não irá patrocinar o Carnaval da cidade e nem realizar cadastro de blocos e investimento em infraestrutura. De acordo com a Secretaria de Comunicação do município, a decisão foi pautada pela orientação dos integrantes do Comitê de Enfrentamento à Covid-19.

O governador da Bahia, Rui Costa (PT), oficializou no dia 23 de dezembro o cancelamento do Carnaval em municípios baianos em 2022. Em uma rede social, Costa disse que a decisão se deve aos cerca de “2,4 milhões de baianos com a vacina contra a Covid em atraso”, e à epidemia de gripe que tem sobrecarregado o sistema de saúde.

Desde o dia 30 de novembro o prefeito de Fortaleza, José Sarto (PDT), anunciou a suspensão dos editais do ciclo carnavalesco do município e a destinação de R$ 14 milhões que seriam investidos no evento para as secretarias responsáveis pela segurança alimentar, saúde e cultura local.

A Câmara Municipal de Fortaleza aprovou no último dia 15 de dezembro o Orçamento para 2022 com as alterações anunciadas pelo chefe do executivo municipal. A decisão na capital cearense foi tomada após o cancelamento do réveillon, influenciada pela alta de casos da Covid.

A prefeitura de Palmas ainda não decidiu sobre a permanência ou cancelamento do Carnaval 2022. O município segue monitorando os indicadores epidemiológicos e o avanço da vacinação, para então considerar ou não a realização do evento. Em nota, a Secretaria de Comunicação informou que “é precoce tomar qualquer decisão a respeito desse tema, uma vez que por se tratar de uma festa de rua, é impraticável manter as medidas de distanciamento social”.

Em meio ao crescimento de casos de ômicron, Prefeitura de SP aprova desfiles de 696 blocos para o carnaval de 2022

Em meio ao crescimento do número de casos de contaminação pela variante ômicron, a Prefeitura de São Paulo aprovou, nesta quinta-feira (30), os desfiles de 696 blocos para o carnaval de 2022. A autorização foi publicada no Diário Oficial do Município.

Em nota, a Secretaria Municipal das Subprefeituras ainda celebrou o número, por representar um marcador inédito: segundo a pasta, é a maior quantidade de blocos registrada na história da cidade.

A gestão municipal também afirma que 64 desfiles foram cancelados, sendo 23 deles por não retornarem o contato para o envio de todas as informações.

Embora siga sustentando e avançando nos tramites, a realização do evento permanece condicionada à situação epidemiológica do município no próximo ano: o número de casos, mortes e internações por coronavírus deverá balizar as decisões.

“Essa é mais uma etapa do planejamento da cidade para o evento, cuja realização depende das autorizações dos órgãos de Saúde que avaliam o cenário epidemiológico da pandemia da Covid-19”, afirma a Secretaria por meio de nota.

A gestão do prefeito Ricardo Nunes (MDB), porém, não determinou quais indicadores pretende usar para decidir se realiza ou cancela a folia na cidade.

No dia 23 de dezembro, a Prefeitura de São Paulo havia informado que 28 blocos cancelaram a participação no carnaval de rua da capital em 2022.

Entre os que já tinham solicitado o cancelamento estavam as cantoras Daniela Mercury (Pipoca da Rainha) e Gloria Groove (Bloco das Gloriosas), a produtora de funk Kondzilla (Bloco do Kondzilla) e o ator e cantor Tiago Abravanel (Bloco do Abrava).

Pernambuco estuda trocar carnaval de rua por desfiles de blocos em clubes e estádios com controle vacinal em 2022

O governo de Pernambuco estuda trocar a realização do carnaval de rua em 2022 por desfiles e apresentações de blocos carnavalescos em espaços fechados como estádios, clubes e parques de exposição. Isso, segundo o secretário de Turismo e Lazer, Rodrigo Novaes, seria para permitir um controle vacinal dos participantes e garantir a realização do carnaval 2022.

Segundo o secretário, no entanto, todas as decisões deverão ser referendadas pelo Comitê de Acompanhamento à Covid-19, chefiado pela Secretaria Estadual de Saúde (SES). Um posicionamento oficial sobre a festa só deverá ocorrer no início do ano.

“Surge, aí, uma oportunidade de poder se viabilizar espaços, equipamentos públicos ou clubes privados para a gente poder realizar festas, eventos, seja com blocos privados e outros tipos de festas em ambientes em que é possível esse controle da vacinação. E aí surge essa alternativa que pode ser estudada de Geraldão, Arena de Pernambuco, Centro de Convenções”, afirmou o secretário.

Na terça-feira (21), a Troça Carnavalesca Pitombeira dos Quatro Cantos anunciou que não vai sair às ruas de Olinda em 2022, mas que deve realizar eventos fechados para celebrar os 75 anos de fundação. Outras agremiações da cidade, como o Homem da Meia-Noite e o bloco Eu Acho É Pouco, também já anunciaram que não vão desfilar.

“A gente já sabe que tem um formato em que a festa não pode acontecer, sem controle de ambiente, sem controle para saber se as pessoas que estão participando da festa têm a vacina. Então, festas abertas, mesmo com a ampliação da vacinação maior que 80% [entre os maiores de 12 anos], as autoridades sanitárias, os conselhos, a ciência recomendam que ela não aconteça. Não vou dizer que está descartado, mas possivelmente não vai acontecer no formato que a gente conhece”, declarou Novaes.

A proibição do carnaval e também de festas de réveillon foi recomendada pelo Comitê Científico do Consórcio Nordeste, que reúne os nove estados da região. A decisão levou em conta principalmente o risco de contaminação pela variante ômicron do coronavírus.

“Nosso carnaval tem essa característica de ser um carnaval de rua, com grandes blocos, como o Galo da Madrugada, e blocos menores, que acontecem todos os dias, em Olinda, mesmo agora no pré-carnaval. Então, a gente também tem essa atenção para que esses blocos possam se apresentar”, afirmou Novaes.

O secretário estadual de Saúde, André Longo, afirmou em novembro que o que pode valer para janeiro e fevereiro é a definição dos eventos com até 7,5 mil pessoas, com 100% do público vacinado, como previsto atualmente pelo Plano de Convivência com a Covid-19.

Em Pernambuco, no entanto, é comum a realização de prévias carnavalescas e eventos durante o período festivo que reúnem dezenas de milhares de pessoas, como o Olinda Beer, realizado tradicionalmente no Centro de Convenções. Em 2018, por exemplo, 70 mil pessoas compareceram.

Se as regras atualmente em vigor se mantiverem até o período do carnaval, esse tipo de evento também deverá seguir o limite de 7,5 mil pessoas, todas vacinadas contra a Covid-19 com ao menos duas doses ou a vacina em dose única da Janssen.

“Tudo isso pode ser analisado, mas quem dará a última palavra no que diz respeito a isso é o secretário de Saúde do estado, junto do governador Paulo Câmara, tendo em vista todos os dados que vão ser levantados ao longo dos próximos dias, das próximas semanas”, complementou Rodrigo Novaes.

Com atual cenário, Carnaval na Sapucaí está garantido, diz prefeito do Rio

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, disse nesta quarta-feira (15) que, se não houver uma mudança nas regras de prevenção à covid-19 ou no quadro epidemiológico da pandemia, a realização dos desfiles das escolas de samba na Marquês de Sapucaí está garantida. Paes dedicou uma série de postagens ao assunto em sua conta no Twitter e disse que a prefeitura está discutindo regras “muito restritas” com a Liga Independente das Escolas de Samba do Rio de Janeiro (Liesa), que serão apresentadas ao comitê científico municipal.

Essa informação é importante para diminuir as especulações acerca dessa festa. O carnaval na Marquês de Sapucaí exige uma preparação com muita antecedência, inclusive com repasse de recursos públicos as escolas de samba”, afirmou.

O prefeito argumentou que “a Marquês de Sapucaí nada mais é do que o estádio do samba” e comparou a realização da festa aos jogos de futebol com torcida, que já estão permitidos na cidade. Paes disse ainda que está usando como exemplo para o carnaval a atuação da direção do Flamengo na organização dos jogos.

“Havendo a possibilidade, como há nesse momento e acontece semanalmente, de realização de jogos de futebol com os controles já previstos nas normas estabelecidas pela prefeitura, não há qualquer motivo para não garantirmos que o carnaval da Marquês de Sapucaí será realizado”.

Secretário de cultura do Recife sugere que Carnaval 2022 pode ocorrer a partir de maio

A Secretaria de Cultura do Recife não descarta a possibilidade de adiamento do Carnaval para um período posterior aos meses de fevereiro e março, apontados pelas autoridades sanitárias como época de sazonalidade das doenças respiratórias. De acordo com o secretário municipal Ricardo Mello, o posicionamento ainda não é institucional, no entanto, o próprio prefeito, João Campos, já havia declarado que essa alternativa poderia se dar em conjunto com outras capitais (São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Salvador).

“Não vamos ter, provavelmente, um Carnaval como a gente conhece. Mas é muito pertinente a pergunta de como pode ser feito um Carnaval, porque ele não pode ser de poucos. O Carnaval que a gente conhece e deseja é o de todos”, afirmou Mello, durante sua participação na audiência pública realizada, nesta quarta-feira (15), pela Câmara Municipal do Recife.

“A nossa primeira premissa é de que o Carnaval tem que trazer segurança para as pessoas para ser vivido e brincado como se deve. O cenário aponta um prognóstico de improbabilidade de realização do Carnaval que a gente conhece”, completou o auxiliar, estimando que a partir do mês de maio seria possível prever um cenário que 100% da população possa estar com o esquema vacinal completo e com as doses de reforço bastante avançadas.

Médicos consideram “irresponsabilidade” realizar Carnaval em 2022

Eu não quero passar outra noite em claro tendo que intubar pacientes“. A declaração é de Filipe Prohaska, chefe da Triagem de Doenças Infecto-contagiosas do Hospital Universitário Oswaldo Cruz (UPE), sobre as possíveis consequências da realização do Carnaval de 2022.

Filipe foi um dos especialistas da área da saúde que falaram durante a reunião da Comissão Especial sobre a retomada do Carnaval, São João e demais grandes eventos do Recife, realizada na Câmara do Recife nesta segunda-feira (13).

Desta vez, o grupo ouviu o eixo sanitário, depois de uma reunião com o setor artístico-cultural e outra com parlamentares de outros municípios do país, onde há tradição de Carnaval. No próximo dia 21 de dezembro, eles apresentam um relatório parcial sobre o tema para o prefeito do Recife, João Campos (PSB).

Ministério da Saúde não recomenda realização do Carnaval em 2022

Ainda diante da pandemia da Covid-19 e do surgimento de novas variantes, o Ministério da Saúde não recomenda a realização do Carnaval em 2022. A orientação da pasta foi exposta pela secretária extraordinária de enfrentamento à Covid-19, do Ministério da Saúde, Rosana Leite durante audiências realizadas na Câmara dos Deputados e no Senado na quarta e nesta quinta-feira (9).

Para a secretária, é arriscado a recomendação de uma festa que envolve aglomerações por todo país. Por isso, atualmente, a posição do Ministério da Saúde é contrária. “É claro que estamos em dezembro, e em fevereiro ou março, as coisas podem mudar. Mas, hoje, a nossa posição é que isso seja pensado com extrema cautela e não recomendamos no momento”, indicou ontem.

Pelo menos quatro capitais não terão Carnaval em 2022. Pernambuco fora da lista

Ao menos quatro capitais brasileiras definiram que não será realizada a festa de Carnaval em 2022 devido à pandemia de Covid-19.

O levantamento feito pela CNN confirmou que Belém, Campo Grande, Cuiabá e Teresina decidiram não realizar eventos no período.

De acordo com o levantamento, quatro capitais — São Paulo, Rio de Janeiro, Florianópolis e Maceió –, informaram que estão planejando a festa, mas que a realização depende do cenário epidemiológico.

Outras prefeituras afirmaram que analisam o contexto da pandemia para definir estratégias sobre a realização do evento.

Daniela Mercury diz que não vai desfilar no carnaval 2022: ‘sinto muito em anunciar isso’

A cantora Daniela Mercury anunciou nesta sexta-feira (3) que não vai participar das festas de rua, abertas ao público, no carnaval 2022, por causa do cenário incerto da pandemia da Covid-19.

“Sinto muito em anunciar isso, mas avaliamos bem a situação e chegamos à conclusão que o cenário é muito incerto”, informou a cantora.

Na nota, Daniela informou que mesmo sem o anúncio oficial de cancelamento da festa, ela considera que na Bahia, o governo e a prefeitura de Salvador não vão realizar o carnaval no próximo ano.

Disse ainda que apesar de estar mantido o carnaval de São Paulo e a Pipoca da Rainha ser tão tradicional na folia paulistana, ela não vai desfilar em 2022. Quem também anunciou que não vai desfilar no carnaval do próximo ano foi a cantora Preta Gil.

Caso seja mantida a liberação das autoridades sanitárias, a cantora informou que vai tentar realizar shows e eventos durante o verão, sempre com limitação de público e com a exigência das duas doses da vacina contra Covid-19.

“O momento ainda não é de plena tranquilidade, mesmo com as vacinas salvando milhares de vidas”, declarou a cantora.

Sobre as apresentações no verão em Salvador, a cantora já anunciou que estará de volta com o Camarote da Rainha, evento programado para 18 de dezembro, no espaço Largo da Tieta, no Pelourinho.

A artista lançou nesta sexta-feira, em todas as plataformas digitais, a música “As Rendas do Mar” uma homenagem a todas as mulheres na figura de Iemanjá.

Daniela dedicou a canção ao maestro Letieres Leitte , que morreu por insuficiência respiratória em decorrência da Covid-19 no dia em que a música estava sendo gravada. Clique aqui e escute a música.

Ainda no fim da manhã desta sexta-feira, entrou no ar, no canal oficial da cantora, o vídeo que mostra a preparação da música nos estúdios de gravação.

Prudente, Diretoria do Homem da Meia Noite cancela desfile

Enquanto o Estado não se pronuncia, agremiações responsáveis e que primam pela vida começam a se manifestar.

O tradicional desfile do Homem da Meia-Noite, realizado sempre na madrugada no sábado de Carnaval em Olinda, no Grande Recife, não será realizado de forma presencial em 2022. A informação foi divulgada nesta terça-feira (30) pela diretoria da agremiação.

A decisão foi tomada após avaliação dos atuais números da pandemia no Brasil e no mundo e do surgimento de novas variantes do vírus. Em 2022, o desfile celebraria os 90 anos do calunga.

“Chegamos à conclusão que seria uma decisão de alto risco à vida, a realização do nosso Carnaval presencial. Pelo bem da vida e da vida de todos, resolvemos cancelar uma possível saída presencial da nossa agremiação em 2022. Vamos seguir com projetos possíveis que serão divulgados em breve”, afirmou o presidente do Homem da Meia-Noite, Luiz Adolpho.

Em Pernambuco, a realização ou não do Carnaval ainda não foi definida pela gestão estadual, que avalia a liberação junto a um comitê sobre o assunto.

Prefeitura de SP divulga 1ª lista dos blocos de rua do carnaval 2022

A Prefeitura de São Paulo divulgou neste sábado (27) a primeira lista dos blocos de rua do carnaval de 2022. Até o momento, há 440 blocos validados. A estimativa é que 18 milhões de pessoas participem da folia.

Os blocos, cordões e grupos musicais devem desfilar nos períodos pré, durante e pós carnaval, entre os dias 19 de fevereiro e 6 de março.

De acordo com a portaria publicada pelo secretário municipal das Subprefeituras Alexandre Modonezi, a realização do carnaval de rua da cidade de São Paulo em 2022 está condicionada à liberação pela Coordenadoria de Vigilância em Saúde (Covisa), devido à pandemia de Covid-19.

Os blocos de rua deverão obedecer aos itinerários, datas e horários definidos e autorizados. Em caso de descumprimento, os blocos podem sofrer penalidades.

A prefeitura diz que recebeu que 867 inscrições para desfiles de blocos de rua para o carnaval de 2022.

O número de pedidos de desfiles foi menor que o recorde registrado em 2020, quando 960 desfiles foram inscritos, mas superior ao verificado em 2019, quando 550 cortejos foram registrados. Segundo a prefeitura, o alto número de inscrições indica que o carnaval de rua 2022 em São Paulo pode ser o maior do Brasil.

O número considera o total de desfiles solicitados, mas o número de blocos a desfilar é inferior ao de cortejos, já que alguns grupos podem se apresentar em mais de um dia. Além disso, o número de desfiles que de fato ocorrem é, geralmente, inferior ao de inscritos, porque alguns blocos acabam desistindo.

A realização da festa depende da situação da pandemia, mas a gestão municipal já sinalizou que o evento deve ocorrer sem restrições sanitárias.