Arquivo da categoria: Vacina

Ministério da Saúde libera quarta dose da vacina contra Covid-19 para maiores de 40 anos

O Ministério da Saúde liberou nesta segunda-feira (20) a quarta dose (ou segunda dose de reforço) da vacina contra a Covid-19 para pessoas acima de 40 anos. Segundo Arnaldo Medeiros, secretário de Vigilância em Saúde, esse novo grupo já pode procurar os postos de saúde para receber a dose.

A recomendação é que a imunização seja feita com as vacinas da Pfizer, AstraZeneca ou Janssen, quatro meses após a aplicação do primeiro reforço.

Até agora, o ministério havia liberado essa dose apenas para pessoas com 50 anos ou mais, além de imunossuprimidos e trabalhadores da saúde.

Doses por grupo para qualquer uma das vacinas:

Maiores de 40 anos: quatro doses

12 a 39 anos: três doses

5 a 11 anos: duas doses

Sobre a inclusão da vacina contra Covid-19 no Programa Nacional de Imunizações (PNI), Arnaldo Medeiros disse que ainda não há previsão.

“Cremos que a vacinação contra a Covid entrará no PNI, é uma discussão que já estamos tendo, mas precisamos de mais clareza de qual seria o público-alvo de maneira mais concreta, qual será a posologia. Os estudos continuam, a discussão com especialistas continua, mas ainda não temos definição de quando ela será incorporada dentro do PNI”, disse Medeiros.

A pasta também apresentou um balanço sobre a vacinação no país. Segundo o ministério, pessoas não vacinadas tiveram risco de ter Covid-19 grave ou ir a óbito de 6 a 9 vezes maior do que pessoas vacinadas durante os primeiros meses de 2022.

Especialistas dos EUA aconselham autorizar vacina da Moderna para crianças e adolescentes

Um comitê consultivo americano se pronunciou, nesta terça-feira (14), a favor da autorização nos Estados Unidos da vacina contra a Covid-19 do laboratório Moderna para crianças e adolescentes de entre 6 e 17 anos.

A agência reguladora de alimentos e medicamentos dos EUA (FDA, na sigla em inglês) ainda precisa dar sua autorização, mas é provável que siga os conselhos do comitê.

Até o momento, a vacina da Moderna apenas foi autorizada para adultos maiores de 18 anos nos Estados Unidos, ao contrário do que já acontece em outros países.

Atualmente, os jovens americanos apenas podem receber o imunizante da Pfizer.

“Acredito que isso oferecerá às famílias uma opção importante”, acrescentou o doutor Ofer Levy, membro do comitê, depois de um dia de debates públicos.

A taxa de vacinação entre os menores é muito inferior à registrada entre os adultos.

Para adolescentes de entre 12 e 17 anos, a dose é a mesma que para os adultos (100 microgramas), enquanto para as crianças de entre 6 e 11 anos é reduzida pela metade (50 microgramas).

Os 22 especialistas independentes do comitê votaram por unanimidade a favor da autorização. Mas alguns lamentam que não se autorize uma terceira dose, porque a proteção das vacinas é menos eficaz desde que surgiu a variante ômicron.

As autoridades sanitárias americanas esperaram até agora para considerar a vacina da Moderna para adolescentes devido, em particular, às preocupações sobre o risco de miocardite, um tipo de inflamação do músculo cardíaco.

Foi detectado um risco maior depois da inoculação de vacinas de RNA mensageiro, como as de Pfizer e Moderna, sobretudo entre as crianças. Segundo os especialistas, no entanto, os benefícios superam os riscos.

“Estou de acordo com a conclusão da FDA de que é pouco provável que os 100 microgramas da Moderna apresentem um claro aumento do risco em comparação com a Pfizer”, declarou nesta terça Amanda Cohn, integrante do comitê.

Pernambuco libera segunda dose de reforço para pessoas a partir de 50 anos e profissionais da saúde

A população a partir dos 50 anos de idade e trabalhadores da saúde de qualquer idade de Pernambuco já podem buscar os locais de vacinação para receber a segunda dose de reforço (4ª dose) da vacina contra a Covid-19. Para receber o imunizante, é preciso ter completado a terceira dose do esquema vacinal há pelo menos quatro meses.

A decisão segue a orientação do Ministério da Saúde e leva em consideração a amplificação da resposta imune ofertada com as doses de reforço de vacinas contra a doença.

Em relação aos trabalhadores de saúde, foi levada em consideração, ainda, a importância da proteção vacinal devido ao maior grau de exposição à Covid-19, que provoca maior risco de adoecimento e, consequentemente, absenteísmo e impacto no atendimento à população.

Em Pernambuco, a população estimada de trabalhadores da saúde é formada por 294.100 pessoas. A cobertura vacinal para o primeiro reforço deste grupo está em 78,90% (232.055 doses aplicadas).

Para a aplicação da segunda dose de reforço (4ª dose), devem ser utilizados os imunobiológicos da Pfizer, Astrazeneca/Fiocruz ou Janssen, conforme orientação do órgão de saúde federal.

Os gestores municipais devem analisar seus estoques e a população já vacinada para informar ao Programa Nacional de Imunizações (PNI-PE) os quantitativos que necessitam para aplicação da quarta dose.

“Para o segundo reforço, estamos com apenas com 35,9% de cobertura vacinal e isso é muito pouco frente à proteção que a vacina oferece para adoecimentos graves e óbitos”, pondera o secretário estadual de Saúde, André Longo.

COVID: Prefeitura de Afogados inicia aplicação de dose de reforço para adolescentes e público de 55 a 59 anos

Seguindo orientações da nota técnica divulgada nesta terça (31) pela Secretaria Estadual de Saúde, a Prefeitura de Afogados da Ingazeira dará início, já a partir desta quarta (01) ao processo de aplicação da dose de reforço em adolescentes de 12 a 17 anos. A dose deverá ser administrada a partir de 4 meses após a última dose do esquema vacinal primário (D2).

Outro público que também já pode tomar nova dose de reforço vacinal é o com idades de 55 a 59 anos, desde que tenha tomado a última dose há pelo menos quatro meses.

Segundo a nota técnica, a dose de reforço se faz necessária devido à “redução da resposta imune às vacinas observadas em alguns estudos e a circulação de novas variantes em um cenário onde ainda não foi atingido coberturas vacinais ótimas.”

Em Afogados, a vacinação está sendo realizada no centro de vacinação instalado pela Prefeitura na Rua Professor Vera Cruz, próximo à Casa Siqueira.

Com preço estimado de 350 reais, vacina da AstraZeneca contra Covid chega às clínicas particulares, diz associação

A Associação Brasileira de Clínicas de Vacinas (ABCVAC) anunciou nesta segunda-feira (30) que doses da vacina da AstraZeneca contra a Covid-19 estão sendo liberadas para a rede privada de clínicas do país.

A medida ocorre após o fim da Emergência em Saúde Pública de importância Nacional (Espin), que impossibilitava a oferta do imunizante para a rede privada.

Embora a portaria que encerra a emergência de Covid tenha sido publicado no dia 22 de abril, o governo federal estabeleceu que ela só entraria em vigor 30 dias depois da data.

Por isso, agora, de acordo com a associação, cerca de 2 milhões de doses da vacina já estão disponíveis para faturamento.

“Isso começou semana passada. Então algumas clínicas começaram a receber esta semana”, diz Geraldo Barbosa, presidente da ABCVAC.
Ele explica que o imunizante tem a mesma tecnologia da vacina dada na rede pública (a da Fiocruz), mas que a versão da rede privada é importada diretamente da fabricante britânica.

Por isso, o preço estimado pela associação gira em torno de 300 e 350 reais. No cálculo, incluem custos com logística, armazenamento e variação por região.

Ainda segundo a ABCVAC a ideia é que a vacina não seja de busca espontânea, ou seja, cada paciente deve entrar em contato com sua clínica de confiança, se informar e fazer uma agendamento conforme a disponibilidade de doses, pois os frascos após abertos tem 48 horas de validade.

Além disso, as clínicas também devem checar as doses que o paciente já tomou e efetuar as devidas orientações.

“A gente espera agora que outros fabricantes cheguem. Temos públicos-alvo que nos interessam muito agora, como crianças de 6 meses até 18 anos de idade (que essa vacina da AstraZeneca não contempla)”, detalha Barbosa.

Por enquanto, a associação informou que nenhuma outra fabricante sinalizou disponibilidade para o setor privado.

“Estamos com uma cobertura muito aquém da estipulada pelo governo, então independente se a pessoa vai utilizar o serviço privado ou público, que façam a vacina […]. A responsabilidade de manter o esquema vacinal é uma atitude individual, mas faz parte da vida em sociedade e do coletivo”, acrescenta.

Em nota ao g1, AstraZeneca disse que possui negociações avançadas com empresas do setor privado, incluindo a ABCVAC, para a disponibilização de sua vacina, e que as primeiras doses devem ser entregues às instituições ainda em maio

Vacinação contra Covid: Ministério da Saúde passa a recomendar dose de reforço para adolescentes

O Ministério da Saúde ampliou a recomendação da dose de reforço contra a Covid-19 para adolescentes, entre 12 e 17 anos.

A nova recomendação foi publicada em uma nota técnica da pasta na noite desta sexta-feira (27).

Segundo o ministério, a dose de reforço deve ser aplicada quatro meses após a segunda dose, preferencialmente com a vacina da Pfizer, independentemente da dose aplicada anteriormente.

Apesar disso, a Coronavac também poderá ser usada caso haja indisponibilidade da vacina da Pfizer, informa a recomendação. A recomendação também vale para adolescentes gestantes e puérperas.

No caso dos adolescentes imunocomprometidos, apenas a vacina da Pfizer deve ser utilizada.

Com a nova recomendação, o esquema de imunização para adolescentes de 12 a 17 anos fica da seguinte forma:

Dose 1 (Pfizer) + Intervalo de 8 semanas + Dose 2 (Pfizer) + Dose de reforço (Pfizer ou Coronavac), 4 meses após a Dose 2

Dose 1 (CoronaVac) + Intervalo de 4 semanas + Dose 2 (CoronaVac) + Dose de reforço (Pfizer ou Coronavac), 4 meses após a Dose 2

Na nota técnica, o Ministério da Saúda ressalta que a mudança na estratégia de vacinação se deve ao fato de que existe uma “tendência de redução da efetividade das vacinas” com o passar do tempo e que a circulação de novas variantes do Sars-Cov-2 (o vírus causador da Covid-19) preocupam “em um cenário onde ainda não atingimos coberturas vacinais ótimas”.

Novas internações por Covid-19 no estado de SP aumentam 60% em duas semanas, mas número ainda é 1/5 do pico de janeiro

“Após a observação de segurança de países que recomendaram a dose de reforço das vacinas contra a Covid-19 para adolescentes de 12 a 17 anos e diante do cenário epidemiológico ainda incerto em relação aos casos de Covid-19 bem como evidências demonstrando redução da resposta protetora do esquema de 2 doses para a variante ômicrom nesta população, há de se considerar a recomendação da dose reforço para este grupo no país”, diz o documento.

Segundo os últimos dados do consórcio de veículos de imprensa, até esta sexta-feira (27), antes da nova recomendação, a dose de reforço foi aplicada em 91.963.534 pessoas, o que corresponde a 42,81% da população.

Ministério da Saúde mantém uso de vacina da Janssen contra covid-19

O Ministério da Saúde decidiu manter o uso da vacina Janssen, fabricada pela farmacêutica Johnson e Johnson, na Campanha de Vacinação contra a covid-19. A decisão está em Nota Informativa nº21/2022, divulgada na quarta-feira (11), pela Secretaria Extraordinária de Enfrentamento à Pandemia da Covid-19 (Secovid).

No Brasil, a vacina estava autorizada para uso emergencial pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) desde 31 de março de 2021 e, em abril deste ano, a agência concedeu registro para uso definitivo do imunizante. Segundo a pasta, a decisão leva em conta a recomendação da Anvisa para manter o uso da vacina.

Levantamento do ministério mostra que 92% do público acima de 12 anos já recebeu a primeira dose da vacina contra a covid-19 e 87% já tomou a segunda dose ou dose única. Conforme último balanço, 487 milhões de doses do imunizante foram distribuídas para todos estados e Distrito Federal.

Maioria dos brasileiros está em falta com a dose de reforço da vacina contra Covid

A maioria dos brasileiros está em falta com a dose de reforço da vacina contra a Covid.

Aos poucos, as medidas de distanciamento foram sendo reduzidas com o trabalho e aulas presenciais e máscara já não sendo obrigatória em grande parte dos lugares. Mas o vírus da Covid continua circulando. E nem metade da população tomou a primeira dose de reforço.

Dados coletados pelo consórcio de veículos de imprensa mostram que em 18 estados e no Distrito Federal menos de 40% das pessoas tomaram a dose de reforço.

E tem estado com baixíssima cobertura. Em Roraima, 12,09%; no Amapá, 13,57%; no Acre, 20,82%; no Pará, 20,94%; e em Tocantins, 20,93%, menos de 21% completaram o esquema de imunização.

A vacina é a principal proteção contra a Covid e é capaz de evitar a forma mais grave da doença. Há estoque disponível do imunizante, mas a procura nos postos está muito baixa.

Na rodoviária de Brasília, que apesar do intenso movimento, no posto tem pouca gente.

A vendedora ambulante Edinalva Reis Carvalho não se interessou pelo reforço.

“Eu estou protegida, por que não? Ué, porque tomei a 1ª e a 2ª, a terceira não”, diz Edinalva.

Ledo engano pensar assim, alerta o presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia, Alberto Chebabo.

“Essas pessoas, de uma forma geral que não se vacinam com a dose de reforço, vão perdendo a capacidade de proteção. O organismo vai deixando de produzir os anticorpos necessários para manter uma proteção e você aumenta o número de pessoas suscetíveis na população conforme esse tempo vai passando”, diz Chebabo.

“Quanto mais pessoas suscetíveis, mais fácil o vírus e, principalmente, essas variantes que têm aparecido vão causando mais infecções. Com isso, eu também tenho o aumento do risco de infecções graves, de manifestações graves e até de internação e morte aumentarem”, explica o médico Alberto Chebabo.

Segundo o Ministério da Saúde, mais de 48 milhões de pessoas poderiam tomar a dose de reforço contra a Covid — Foto: Jornal Nacional/ Globo
Segundo o Ministério da Saúde, mais de 48 milhões de pessoas poderiam tomar a dose de reforço contra a Covid — Foto: Jornal Nacional/ Globo

Segundo o Ministério da Saúde, mais de 48 milhões de pessoas poderiam tomar a dose de reforço. A supervisora de telemarketing Daniela Gomes de Souza demorou dois meses, mas hoje fez a parte dela.

“A correria do dia a dia faz com que a gente demorasse mais um pouco. Mas com o número que aumentou um pouquinho, a preocupação ficou um pouco maior e eu resolvi vir nesta testa quarta-feira (11). “, diz Daniela.

“Estou me sentindo mais segura e se tiver a 4ª dose, eu não vou deixar atrasar. E que venham quem tiver atrasado com as vacinas, porque agora o negócio está difícil. Tem que vir”, diz Daniela.

Em Pernambuco, Afogados lidera aplicação de vacinas de reforço no público de 65 anos e mais

A Secretaria Estadual de Saúde divulgou nesse início de semana o ranking estadual de cobertura vacinal de doses de reforço contra a COVID-19.

Afogados mais uma vez mantém a posição de destaque, sendo o município que mais vacinou percentualmente a população de 65 anos e mais, com as duas doses de reforço, tendo atingido 126,2% desse público.

É preciso informar que números maiores do que 100% são normais em se tratando de vacinação, uma vez que a população estimada do município pelo Ministério da Saúde tem como referência o censo demográfico de 2010. De lá para cá, naturalmente, a população da cidade aumentou, tanto pelos nascimentos ocorridos nesses últimos 12 anos, quanto pela grande quantidade de pessoas que vieram morar em Afogados nesse período.

Nas demais faixas etárias, Afogados também contabiliza bons resultados, ficando entre as seis cidades do Estado com melhor percentual de vacinação do Estado.

“Em meio a tantos desafios de vencer a COVID-19, a vacinação é a principal estratégia, e Afogados vem dando exemplo na promoção à saúde e proteção da vida das pessoas. Agradeço aos meios de comunicação que tem nos ajudado nessa conscientização, à população que entendeu a importância da vacina, e aos profissionais da saúde, que se empenham desde do início da pandemia com o intuito de salvar vidas,” destacou o secretário de saúde de Afogados, Artur Amorim.

Câmara aprova medida provisória que autoriza governo a doar vacinas para outros países

A Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (3), por 342 votos a 2, uma medida provisória (MP) que autoriza o governo federal a doar a outros países vacinas contra a Covid-19.

O texto segue, agora, para o Senado. Na Câmara, todos os partidos que orientaram suas bancadas definiram voto favorável à medida.

O relator da matéria, deputado Paulo Bengtson (PTB-PA), decidiu aprovar a MP exatamente como foi enviada pelo Executivo, em dezembro do ano passado. O parecer enviado ao Senado rejeitou sugestões de emendas – entre elas, a obrigação de um passaporte sanitário para a entrada no Brasil.

Bengtson também rejeitou a sugestão de incluir uma regra de transparência na MP que obrigaria o governo a divulgar a lista de países beneficiados e o quantitativo correspondente.

Segundo Bengston, “a transparência e publicidade, que são princípios já fartamente contemplados no ordenamento jurídico relacionado com os atos da Administração Pública” e, por isso, não havia necessidade de incluir esse dispositivo no texto.

Durante a votação dos destaques, que são sugestões pontuais de alteração no texto principal, a oposição tentou incluir a obrigatoriedade de transparência nas doações – mas foi derrotada duas vezes.

“A falta de transparência pode abrir brechas extremamente prejudiciais para a saúde pública brasileira e para a moralidade da coisa pública”, argumentou o deputado André Figueiredo (PDT-CE).

Em 2021, a OMS chegou a pedir que países doassem vacinas às nações mais pobres em vez de aplicar reforço em seus cidadãos.

Municípios promovem Dia D de vacinação contra gripe e sarampo em Pernambuco

Quem está no grupo prioritário e ainda não se vacinou contra a gripe (influenza) e o sarampo tem uma nova oportunidade amanhã. O Governo do Estado e prefeituras se juntam à campanha nacional que promove o Dia D de imunização.

Podem se vacinar contra os vírus da influenza idosos com 60 anos ou mais, trabalhadores da saúde e crianças de seis meses a menores de cinco anos de idade. Os pequenos também recebem a imunização contra o sarampo, disponível também para trabalhadores da saúde.

De acordo com o governador Paulo Câmara, ampliar a imunização contra as doenças, juntamente à Covid-19, sobretudo nos grupos mais vulneráveis, é uma prioridade do Estado.

“É uma medida que vai assegurar a nossa proteção. Aproveito para convocar todos os maiores de 60 anos e os pais das crianças de 6 meses a 4 anos de idade, para participar do nosso Dia D, que será realizado no próximo sábado”, comentou.

No Recife, as mais de 150 salas de vacina da prefeitura estarão abertas no dia de mobilização das 8h às 17h – os endereços podem ser conferidos no site do órgão. Também serão montados dois pontos volantes: um no Parque Dona Lindu, em Boa Viagem, e outro no Sítio Trindade, em Casa Amarela.

Em Olinda, a rede de atenção básica, que conta com 47 postos de saúde, e a especializada, com oito policlínicas, também funcionarão das 8h às 17h.

Já em Jaboatão dos Guararapes, a população tem das 8h às 16h para comparecer a uma das 105 salas de vacinação do município, incluindo Unidades Básicas de Saúde, Unidade de Saúde da Família e Policlínicas.

Em Camaragibe, a mobilização ocorrerá no mesmo horário, sendo preciso comparecer a uma das 45 unidades de saúde, portando documento oficial com foto, CPF, cartão SUS e carteira de vacinação.

Em Paulista, a imunização acontecerá em 47 unidades de saúde e cinco policlínicas do município, das 9h às 16h, sendo necessário apresentar cartão de vacinação e cartão SUS ou CPF.

A próxima etapa da campanha de vacinação contra a influenza, marcada para iniciar na próxima semana, será voltada também para gestantes, puérperas, povos indígenas, professores das escolas públicas e privadas, pessoas com comorbidades, pessoas com deficiência permanente, caminhoneiros, trabalhadores de transporte coletivo rodoviário de passageiros urbano e de longo curso, trabalhadores portuários, profissionais das forças de segurança e salvamento e das forças armadas, funcionários do sistema prisional, população privada de liberdade e adolescentes e jovens cumprindo medidas socioeducativas.

Segundo o Ministério da Saúde, a vacina Influenza trivalente utilizada pelo Sistema Único de Saúde é eficaz contra as cepas H1N1, H3N2 e tipo B.

Vacinação contra sarampo e influenza estão com baixa adesão em Pernambuco

Segundo a Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco (SES-PE), as campanhas de vacinação contra a influenza e sarampo, que ocorrem simultaneamente desde o dia 4 de abril, ainda estão com baixa adesão.

Segundo os registros feitos pelos municípios, apenas 5% dos idosos e 10% dos trabalhadores de saúde foram imunizados contra a gripe em todo o Estado. No caso do sarampo, a cobertura nos trabalhadores de saúde é de apenas 8,6%.

“Vivenciamos, entre dezembro de 2021 e janeiro deste ano, a maior epidemia de influenza que o Estado já enfrentou – pior até mesmo que os danos causados pela variante ômicron da Covid-19. Portanto, é fundamental se imunizar”, alerta a SES-PE.

Pernambuco recebe novas remessas de vacinas da Janssen e AstraZeneca

Novas remessas de vacinas, com 195.590 doses chegaram a Pernambuco nesta quarta-feira (20). Os lotes são dos imunizantes da Janssen e da Astrazeneca, contendo 97.950 e 98.000 doses, respectivamente. Após o desembarque, as remessas foram levadas para a sede do Programa Nacional de Imunizações (PNI-PE), onde terão a temperatura conferida e, em seguida, serão separadas em quantitativos para serem levadas para os municípios pernambucanos.

As vacinas que chegaram nesta quarta-feira serão utilizadas para doses de reforço do público de 18 a 64 anos (reforço 1) e acima dos 65 anos (reforço 2).

“As novas doses serão destinadas para dose de reforço do público de 18 a 64 anos, primeira dose, e 65+ com a segunda imunização de reforço, ambos após quatro meses do esquema vacinal. Nosso objetivo é continuar mantendo os esforços para aumentar o número de vacinados com a dose de reforço, aumentando ainda mais a taxa e índice de cobertura no nosso estado, evitando alta contingência de pessoas com esquemas incompletos e vulneráveis a doença”, afirma a superintendente de Imunizações do Estado, Ana Catarina de Melo.

“Para continuarmos colhendo bons frutos nesse enfrentamento ao vírus e para mantermos esse cenário de forma sustentada, é crucial continuar avançando ainda mais na imunização. Só a vacinação irá evitar que tenhamos bolsões de vulneráveis que podem comprometer os atuais avanços e sobrecarregar novamente nossa rede de saúde e surgimento de novas variantes. A cobertura do esquema de imunização dos idoso ainda pode melhorar. Mais de 250 mil pessoas com mais de 65 anos ainda não tomaram a segunda dose de reforço e elas devem ser estimuladas”, afirma o Secretário de Saúde de Pernambuco, André Longo.

Até o momento, os municípios pernambucanos já aplicaram 120. 972 doses de reforço. No Estado, a população estimada nesta faixa etária é de 872.8229.73 pessoas.

Do início da campanha, em 18 de janeiro de 2021, até o momento, Pernambuco já recebeu 22.082.493 doses de vacinas contra a Covid-19. Desse total, foram 5.818.670 da Astrazeneca/Oxford/Fiocruz; 4.287.253 da Coronavac/Butantan; 8.480.070 da Pfizer/BioNTech; 893.500 doses da vacina pediátrica da Pfizer; 947.240 doses da vacina da Coronavac/Butantan para as crianças e 1.628.760 da Janssen.

CoronaVac deve ser usada apenas em pessoas de 5 a 18 anos, diz Queiroga

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou nesta segunda-feira que a vacina CoronaVac deve ser usada apenas na faixa etária de 5 a 18 anos. Ele argumentou que em países desenvolvidos o imunizante não é usado em esquemas primários de vacinação, ou seja, nas duas primeiras doses.

Queiroga detalhou nesta segunda-feira os motivos para declarar o fim da Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional (Espin), anunciado por ele no domingo. Neste contexto, o ministro falou sobre a autorização emergencial de vacinas e medicamentos.

A regra atual condiciona a autorização emergencial à vigência da Espin. Na semana passada, o Ministério da Saúde pediu à Anvisa que prorrogue por um ano a partir da queda da emergência em saúde o prazo para que a autorização emergencial continue valendo. A Diretoria Colegiada da agência decidirá sobre o tema.

“Mais de um ano após (a primeira aplicação) ainda não se conseguiu colecionar evidências científicas suficientes para que esse imunizante tivesse o registro definitivo. Com isso eu quero dizer que para o esquema vacinal primário em adultos esse imunizante, penso que é um consenso nos países que têm agências regulatórias do porte da Anvisa, que são os países mais desenvolvidos, não é utilizado” afirmou Queiroga sobre a CoronaVac, complementando:

Ele pode ser usado no esquema vacinal primário aqui no Brasil na faixa etária compreendida entre 5 e 18 anos. Esse registro emergencial o Ministério da Saúde pleiteou à Anvisa que mantivesse o registro, claro que é uma decisão da agência regulatória. Se a Anvisa autorizar e atender ao pleito do ministério, essa vacina pode ser usada em crianças e adolescentes. Como dose de reforço, essa vacina também não tem evidências científicas.

Embora o Ministério da Saúde oriente a vacinação nacionalmente, os estados têm prerrogativa para adotar suas próprias estratégias, como tem ocorrido com o estado de São Paulo ao longo da pandemia. A pasta pede, no entanto, que as diretrizes nacionais sejam seguidas para não causar atropelos no Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra Covid-19.

A portaria do governo para finalizar a emergência em saúde deve ser publicada até o fim da semana. A medida entrará em vigor 30 dias após a publicação. O prazo é uma maneira de dar tempo a estados e municípios para organizarem normas que sejam atreladas à Espin, de modo que a derrubada da emergência não cause problemas à gestão pública.

O presidente vinha pressionando o ministro da saúde para decretar o que Bolsonaro chama equivocadamente de “fim da pandemia”. O governo tem prerrogativa apenas para declarar o fim da emergência em saúde já que cabe à Organização Mundial de Saúde (OMS) o término da pandemia global.

Internamente, a decisão de Queiroga gerou controvérsia entre técnicos da pasta, que consideraram precipitado o término da Espin.

Pernambuco recebe mais 97.950 doses de Janssen

Nova remessa com 97.950 doses da vacina da Janssen contra a Covid-19 chegou a Pernambuco, no final da tarde da segunda-feira (11). De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE), os imunobiológicos serão utilizados no incremento da imunização com a segunda dose de reforço (ou 4ª dose) para população com 65 anos e mais. Até o momento no Estado, 53.133 pessoas (7,5%) receberam a chamada quarta dose no Estado.

As vacinas da Janssen já estão na sede do Programa Nacional de Imunizações (PNI-PE) para separação dos quantitativos que serão enviados para as doze Gerências Regionais de Saúde (Geres), onde ficarão à disposição dos gestores municipais.

“Reforçamos que esta remessa deve ser utilizada, exclusivamente, na imunização em segundo reforço do público elegível em Pernambuco, ou seja, aqueles idosos com 65 e mais que completaram o esquema com três doses de vacina há mais de 4 meses. Os gestores das cidades precisam estar atentos a utilização correta dos imunizantes e buscar o público –alvo de maneira efetiva, ofertando a vacina para que este grupo vulnerável esteja mais protegido”, afirma a superintendente de Imunizações do Estado, Ana Catarina de Melo. A população estimada, quando se considera o grupo formado por pessoas com mais de 65 anos, é de 872.823 pessoas.

DOSES RECEBIDAS
Do início da campanha, em 18 de janeiro de 2021, até o momento, Pernambuco já recebeu 21.814.743 doses de vacinas contra a Covid-19. Desse total, foram 5.720.670 da Astrazeneca/Oxford/Fiocruz; 4.287.253 da Coronavac/Butantan; 8.480.070 da Pfizer/BioNTech; 821.700 doses da vacina pediátrica da Pfizer; 947.240 doses da vacina da Coronavac/Butantan para as crianças e 1.530.810 da Janssen.

Vacina da Janssen recebe registro definitivo da Anvisa

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou o registro definitivo da vacina da Janssen contra a Covid-19. A vacina, que já estava aprovada para uso emergencial desde 31 de março de 2021, recebeu hoje (5) o registro definitivo.

A Janssen é a última das vacinas aplicadas no Brasil a receber o registro definitivo. Pfizer/BioNTech, AstraZeneca/Oxford e Coronavac já têm seus registros definitivos aprovados pela Anvisa.

A vacina da Janssen, que é de dose única, pode ser aplicada tanto como primeira dose, como dose de reforço.

Responsável pela Gerência-Geral de Medicamentos e Insumos Biológicos da Anvisa, Gustavo Mendes explica que o registro representa o padrão ouro de avaliação de um medicamento.

“É a consolidação da análise dos melhores dados disponíveis e de forma completa, com informações mais robustas dos estudos de qualidade, eficácia e segurança, bem como do plano de mitigação dos riscos e da adoção das medidas de monitoramento. Com o registro, a população recebe um atestado de que o produto passou por exigências comparáveis às das melhores agências reguladoras do mundo”, afirma o especialista.

O imunizante da Janssen é indicado para pessoas com 18 anos de idade ou mais e é aplicado em dose única de 0,5ml. Uma dose de reforço de 0,5 ml pode ser administrada pelo menos 2 meses após a primeira dose.

Enfermeira que aplicou doses adultas em crianças admite erro e se diz sobrecarregada

A profissional de enfermagem conhecida como Audenice do Mandacaru falou pela primeira vez sobre as doses adultas aplicadas em crianças no município de Afogados da Ingazeira.

Conforme nota da prefeitura,  41  crianças da Escola Monteiro Lobato e Padre Carlos Cottart receberam as doses de vacina diferente do esquema proposto pelo Ministério da Saúde.

Eram doses para adultos. Audenice falou em uma rede social pela primeira vez sobre o episódio. O blog do Niil Júnior teve acesso ao áudio. Diante do debate em um grupo de WhattsApp conhecido como Acorda Afogados, com críticas à sua atuação e algumas defesas de sua história na saúde, Audenice falou.

“Fui eu a responsável pelas vacinas do Monteiro e do Padre Carlos. Foram 42 crianças. Eu vacinei vinte no Monteiro e vinte e duas no Padre Carlos. Quero dizer que tenho minhas culpas, não vou fugir das minhas culpas. Pelo contrário, estou aqui para assumir, para pedir perdão a todas essas mães, esses pais. Não tive má intenção. Quem me conhece sabe do meu profissionalismo, da minha responsabilidade. Vocês não sabem o quanto isso está me doendo”.

E segue: “tenho que assumir meus erros. A gente passa por algumas coisas na vida que não sei se são fatalidades ou não. Quem me conhece sabe do meu zelo. Infelizmente estou passando por isso, mas um pouco tranquila porque diante de quarenta crianças, apenas uma foi hospitalizada por estar com febre alta e graças a Deus, quando cheguei quinta no plantão, ela estava saindo, estava bem”.

Ela diz ainda que de maneira nenhuma está fugindo da sua responsabilidade.  “Sei que vou pagar um preço muito alto por ter falhado”.

Ela sugere que uma segunda pessoa errou ao distribuir as vacinas para aplicação.  “Confiei e peguei uma medicação como a vacina, só pegar e obedecer ordem e cumprir meu trabalho sem ter olhado, sem ter me preocupado em analisar e ver, em olhar com mais detalhes”.

E desabafa: “infelizmente nós da Enfermagem estamos muito sobrecarregados.  Estamos trabalhando cansados, mentalmente e fisicamente.  Chego no Mandacaru seis e meia, seis e quarenta.  Quando saio de lá quatro horas da tarde e chego em casa só quero me deitar.  Tem dia que nem janto, passo direto pra cama, vou dormir de tão cansada. É muita coisa,  muita atribuição. Nesses dias tem vacina de tudo que é jeito e tipo, pra aplicar em domicílio,  nos postos de saúde. Não estou me justificando.  Tô dizendo que a gente tá numa batalha muito grande. Quando as ordens chegam é pra ontem e a gente tem que cumprir”.

Conclui emocionada: “que nada de mal aconteça a essas crianças pois nem eu vou me perdoar. Confio muito em Deus e sei que tudo vai dar certo e vai se resolver.  Que Deus dê saúde a elas e tranquilidade aos pais”.

A Prefeitura de Afogados da Ingazeira informou que a profissional que aplicou as vacinas está suspensa de suas atividades até a conclusão do processo administrativo instaurado para investigar o ocorrido. “Informamos que a mesma poderá perder a função caso comprovada a imperícia”.

Mais de 18 milhões de brasileiros estão com 2ª dose de vacinas contra a Covid atrasada, segundo Ministério da Saúde

18,1 milhões de brasileiros estão com a segunda dose de vacinas contra a Covid-19 atrasada, segundo dados do Ministério da Saúde. O levantamento ainda aponta que o Brasil já teria mais de 88% do público-alvo completamente vacinado caso o intervalo tivesse sido cumprido.

Até o momento, mais de 476 milhões de doses foram distribuídas aos estados e ao Distrito Federal. Os dados do consórcio de veículos de imprensa desta sexta-feira (8) mostram que quase 162 milhões de brasileiros estão totalmente imunizados contra a Covid, com pelo menos duas doses, o que representa aproximadamente 75% da população.

A pasta também lembra que completar o esquema vacinal, com a possibilidade ainda de tomar doses de reforço, é fundamental para garantir proteção máxima contra a doença causada pelo coronavírus.

O Ministério atribui à vacinação a queda no número de casos e óbitos em decorrência da Covid. A média móvel de mortes no Brasil completou, nesta sexta (8), uma semana abaixo da marca de 200. Em comparação à média de 14 dias atrás, a variação foi de -33%, o que indica tendência de queda.

Os dados do Ministério da Saúde foram divulgados na mesma semana em que o Brasil registrou o primeiro caso da variante ômicron XE no país. A infectologista Luana Araújo ressalta que, apesar de estudos preliminares indicarem que a nova variante é mais transmissível, por enquanto, não há motivo de preocupação com a ômicron XE e reforça que as vacinas são eficazes contra ela.

Afogados: 41 crianças tomaram doses adultas para Covid e estão em observação

A Prefeitura diz que uma foi levada a ao HR Emília Câmara após ter febre, mas foi liberada. Fase aguda da reação já teria passado. Profissional que aplicou erroneamente passará por inquérito administrativo. Pais ficaram muito apreensivos.

Acompanhe a nota na íntegra:

Nota de esclarecimento

A Prefeitura de Afogados da Ingazeira vem a público esclarecer que 41 crianças que receberam as doses de vacina diferente do esquema proposto pelo Ministério da Saúde estão sendo observadas.

Neste momento a fase mais aguda da reação já passou e apenas uma criança precisou ir ao hospital por ter tido febre alta. A criança já se encontra em casa.

A Secretaria Municipal de Saúde, em contato com a superintendência de imunizações do Estado de Pernambuco, relatou a ocorrência e ao receber resposta de como prosseguir frente ao caso junto ao Programa Nacional de Imunizações vem a público tranquilizar os familiares, e a população em geral, que as crianças que receberam a 2 dose de Janssen consideram-se com o esquema completo de vacinação. Já as crianças que receberam a 1 dose de Janssen, estas deverão completar o esquema após 60 dias, com a vacina da Pfizer pediátrica.

A orientação recebida pelo Ministério da Saúde, além de organizar o esquema vacinal como explicado acima, é de acompanhar as crianças e tranquilizar os familiares.

Informamos ainda que, a profissional que aplicou as vacinas está suspensa de suas atividades até a conclusão do processo administrativo instaurado para investigar o ocorrido. Informamos que, a mesma poderá perder a função caso comprovada a imperícia.

Segundo informações, as crianças são da Escola Monteiro Lobato.

Mais de 1 milhão de idosos já tomaram a 1ª dose de reforço da vacina contra a Covid-19 em Pernambuco


Mais de 1 milhão de idosos (1.001.690) com 60 anos ou mais já foram vacinados com a primeira dose de reforço da vacina contra a Covid-19 (ou 3ª dose) em Pernambuco. Segundo a Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE), a marca atingida equivale a 80% de cobertura vacinal do público com essa faixa etária.

“Sabemos que o envelhecimento impacta diretamente no funcionamento do sistema imunológico, deixando o organismo mais suscetível a infecções e reduzindo a reposta vacinal. Por isso, disse o secretário estadual de Saúde, André Longo, informando que mais de 200 mil pessoas do grupo estão com a terceira dose da vacina em atraso.

O gestor relembra, ainda, que os idosos que tomaram a terceira dose da vacina há mais de quatro meses já podem receber a quarta dose (2ª dose de reforço) dos imunizantes para aumentar a proteção contra o vírus.

“Os idosos e seus familiares e cuidadores devem ficar atentos ao período oportuno de aplicação da segunda dose de reforço. Oportunizando a proteção no tempo adequado, evitaremos bolsões de pessoas com esquemas incompletos e vulneráveis à doença”, afirmou Longo.

A pasta também convoca a população idosa a aderir à campanha de vacinação contra a influenza, iniciada na última semana em Pernambuco. A vacina trivalente é produzida pelo Instituto Butantan e será eficaz contra as cepas H1N1, H3N2, incluindo a cepa Darwin, e tipo B.

“É importante relembrar que o impacto da influenza A H3N2 provocada pela variante Darwin foi pior que a variante ômicron da Covid-19 em nosso Estado. Assim, a vacinação contra o vírus da influenza é fundamental para reduzir o número de internações e complicações pela gripe, especialmente, nos grupos mais vulneráveis, como as pessoas idosas, as crianças e as gestantes”, pontuou Longo.

A SES reforça que a vacina contra a Covid-19 pode ser aplicada no mesmo dia da vacina contra influenza.

Anvisa aprova registro definitivo da vacina da Janssen contra covid

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) publicou hoje o registro definitivo da vacina Janssen contra a covid-19. O imunizante de dose única tinha autorização para uso emergencial desde 31 de março de 2021. O registro da Anvisa inclui o aval para uso da Janssen como dose de reforço —a orientação do Ministério da Saúde é de que vacinados com Janssen recebam uma dose de reforço de dois a seis meses após a primeira aplicação.

A Anvisa explica que a vacina da Janssen também poderá ser usada como dose de reforço para quem recebeu a da Pfizer. Com o registro, a população recebe um atestado de que o produto passou por exigências comparáveis às das melhores agências reguladoras do mundo. Gerente-geral de Medicamentos e Insumos da Anvisa, Gustavo Mendes.

Estudo indica que vacina da Janssen tem 76% de eficácia por 6 meses A revista médica JAMA Network Open publicou um novo estudo, em que a eficácia da vacina da Janssen, farmacêutica da Johnson & Johnson, foi avaliada. Os resultados foram animadores: o imunizante conferiu 76% de proteção contra a infecção e 81% contra hospitalizações aos imunizados. Os dados também mostraram que essa alta proteção permaneceu por pelo menos seis meses.

Além disso, os pesquisadores apontaram que a eficácia não foi prejudicada pela variante delta, predominante em boa parte do mundo no ano passado. O estudo foi feito nos Estados Unidos e comparou indivíduos vacinados com a dose única da Janssen e não-vacinados. A abrangência temporal foi grande, já que começou no dia 1º de março de 2021 e foi até 31 de agosto. O público-alvo da pesquisa incluiu pessoas com comorbidades, ou seja, com maior risco à covid-19.

Pernambuco recebe mais 165.200 doses de vacinas contra a Covid-19 da Janssen

Pernambuco recebeu 165.200 doses de vacinas da Janssen. A remessa chegou na noite dessa quarta-feira (30) e já foi encaminhada para os municípios do Estado.

Segundo o governo, as vacinas devem ser aplicadas na segunda dose de reforço na população acima dos 65 anos. Nesse público, a chamada 4ª dose deve ser aplicada passados quatro meses do primeiro reforço. Em Pernambuco, a população estimada é de 872.823 pessoas.

“É importante que este grupo procure os postos de saúde para receber mais uma dose de reforço e prolongar por mais tempo a proteção contra a Covid-19. Mesmo após o esquema vacinal completo se faz necessário o recebimento desta dose para que o corpo possa continuar criando resposta imunológica ao vírus de maneira mais efetiva, especialmente, no grupo mais vulnerável dos idosos”, destaca a superintendente de Imunizações do Estado, Ana Catarina de Melo.

Brasil será independente na produção de vacinas ainda em 2022

O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações, Marcos Pontes, falou hoje (28) sobre a capacidade operacional do Centro Nacional de Tecnologia de Vacinas, localizado na cidade de Campinas, em São Paulo, em um dos campi do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM).

Segundo o ministro, o polo de desenvolvimento de vacinas e medicamentos está alinhado às “mais rígidas normas e padrões mundiais”, e será fator crucial na independência na produção de vacinas humanas no Brasil.

Durante pronunciamento em rede nacional de televisão, Pontes explicou que nunca houve vacinas totalmente desenvolvidas por cientistas brasileiros – cenário que deve mudar com os investimentos em laboratórios e em pesquisa que começam a apresentar resultados. “Nossos cientistas finalmente têm condições de produzir, aqui no Brasil, nossas próprias vacinas”, explicou.

Mais cedo, Marcos Pontes afirmou durante palestra dada no 2º Seminário Brasil em Transformação, durante a inauguração da Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados da Justiça Militar da União (Enajum), em Brasília, que o centro tornará o Brasil independente em vacinas ainda neste ano.

“A história nos mostra que quando grandes catástrofes atingem a humanidade, grandes superações acontecem também. Principalmente em ciência e tecnologia”, disse o ministro, que frisou que o governo federal realizou “o maior investimento para fabricação de vacinas da nossa história”.

Também foi anunciado que o desenvolvimento de uma vacina de RNA mensageiro de terceira geração contra a covid-19 já está em andamento no Centro Nacional de Tecnologia de Vacinas. “Essa vacina tem tecnologia muito avançada e é capaz de superar muitas que já estão no mercado”, disse o ministro.

Pontes informou que diversos imunizantes serão desenvolvidos no centro, não apenas contra covid-19, mas contra doenças tropicais negligenciadas e contra outras doenças perigosas, que até então não podiam ser estudadas no Brasil por falta de estrutura adequada.

O Centro Nacional de Tecnologia de Vacinas está acoplado ao Sirius, o maior acelerador de elétrons do Hemisfério Sul e o maior laboratório da América Latina. 

Em sua fala, Marcos Pontes também fez alusão ao aniversário da decolagem do voo espacial que levou o então astronauta em uma incursão espacial – a única tripulada por um brasileiro na história. A missão, que teve como destino a Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês), teve início em 29 de março de 2005. “Acredite na ciência brasileira”, aconselhou o ministro.

Recife inicia, na terça (29), aplicação da segunda dose de reforço para idosos a partir de 65 anos

Depois que o Governo de Pernambuco autorizou, na sexta-feira (25), a segunda dose de reforço ou quarta dose da vacina contra a Covid-19 para idosos a partir de 65 anos, alguns municípios já dão início à aplicação. Neste domingo (27), a Prefeitura do Recife anunciou que, na cidade, esta nova etapa da vacinação começa na terça-feira (29). 

A vacina será aplicada naqueles que receberam a primeira dose adicional há, pelo menos, quatro meses.

Para receber a dose, é necessário realizar agendamento através do site ou aplicativo Conecta Recife. 

Estima-se que, na Capital pernambucana, 119.196 pessoas nesta faixa etária estão aptas a receber o imunizante.

Feito o agendamento, é preciso levar, no dia da vacinação, documento de identificação, além de um comprovante de que já completou o ciclo vacinal, para agilizar o atendimento.

Serão aceitos tanto o cartão de vacinação como o Certificado Digital de Vacinação, disponível no Conecta Recife.

Governo de SP anuncia aplicação da 4ª dose da vacina contra a Covid-19 para maiores de 60 anos a partir de 5 de abril

O governo de São Paulo anunciou neste domingo (27) a aplicação da quarta dose da vacina contra a Covid-19 para pessoas acima de 60 anos a partir do dia 5 de abril.

Em coletiva de imprensa durante a realização do chamado “domingão da vacinação”, o governador João Doria (PSDB) afirmou que cerca de 4,5 milhões de pessoas já poderão tomar essa segunda dose de reforço a partir dessa nova data.

Segundo a coordenador do Programa Estadual de Imunização (PEI), Regiane de Paula, a quarta dose poderá ser tomada apenas para quem já se imunizou há mais de quatro meses com a terceira dose.

O secretário estadual da Saúde, Jean Gorinchteyn, disse que o público elegível dessa nova etapa poderá tomar a vacina da gripe em conjunto, sem o risco de ter reações adversas ou perda de eficácia de nenhum dos dois imunizantes.

“Os trabalhos científicos realizados destacaram, já no ano passado, que era possível aplicar as duas vacinas concomitantemente, sem risco de reações ou de perda de eficácia e proteção de um ou outra vacina. Então, dessa forma, estamos fazendo o que a Organização Mundial da Saúde (OMC) faz e preconiza, que é a possibilidade de dar concomitantemente a vacina da gripe e da Covid-19 sem qualquer risco”, afirmou o secretário.

O Ministério da Saúde havia anunciado a quarta dose da vacina contra a Covid-19 em idosos no último dia 23 de maio, para o público acima de 80 anos. Os imunizantes começaram a ser aplicados nessa faixa de idade no estado de SP dois dias antes do anúncio federal, em 21 de março.